15 de fevereiro de 2017

Friccionando as relações com a Rússia


"A velha ordem mundial quer fricção perene com a Rússia"
Publicado: há 9 horas


michael_flynnMichael Flynn é um "bode expiatório", diz o apresentador Michael Savage, na sequência da renúncia do consultor de segurança nacional.
"A velha ordem mundial quer fricção perene com a Rússia", disse Savage à WND, na terça-feira, "The Savage Nation".
Flynn renunciou na segunda-feira, após relatos de que ele havia dado ao vice-presidente Mike Pence "informações incompletas" sobre suas discussões no final de dezembro com o embaixador russo nos Estados Unidos sobre sanções.
Pence, baseado em informações de Flynn, tinha dito a mídia Flynn não discutiu sanções com o embaixador, Sergey I. Kislyak.
Savage observou que o presidente Obama foi pego em um microfone quente dizendo ao presidente russo de saída Dmitry Medvedev que Vladimir Putin deveria lhe dar mais "espaço" porque Obama teria mais "flexibilidade" para trabalhar com a Rússia depois de sua reeleição em 2012.

- Então houve um grito dos liliputianos na mídia? - perguntou Savage.

"Vejo a demonização de Putin, Rússia e Flynn como parte de uma campanha dos neoconservadores, da comunidade de Intel e dos democratas que querem antagonismo constante com a Rússia", disse ele.
"É como bombeiros que iniciam incêndios para justificar seus empregos."
O presidente Trump, depois de aceitar a renúncia de Flynn, twittou na manhã de terça-feira: "A verdadeira história aqui é por que há tantas fugas ilegais saindo de Washington?"
Flynn afirmou que pensar terça-feira de manhã, quando ele foi perguntado pela Fox News se os vazamentos foram alvo, coordenado e possivelmente uma violação da lei.

- Sim, sim e sim - disse Flynn.

Fluxo de vazamentos

Os agentes do FBI escreveram um relatório secreto, baseado em interceptações, resumindo as discussões de Flynn com Kislyak. A ex-procuradora-geral Sally Yates concluiu que Flynn pode ser vulnerável a chantagem e suspeita que possa estar violando a Lei Logan, que impede os cidadãos norte-americanos de interferir em disputas diplomáticas com uma nação estrangeira, informou o Washington Post.
Horas antes de sua renúncia, Flynn insistiu em uma entrevista com o Daily Caller News Foundation Investigative Group que ele "não cruzou nenhuma linha" em sua discussão com o embaixador.
Sua principal preocupação, disse ele, foi o fluxo constante de vazamentos para os repórteres com base em informações classificadas.
"Em alguns desses casos, você está falando sobre coisas que são retiradas de um sistema classificado e dadas a um repórter. Isso é um crime ", disse ele ao Daily Caller.
Receba o boletim informativo semanal gratuito do Savage cinco dias por semana em sua caixa de entrada de e-mail, indo para o topo da página inicial no site do Savage e clicando na caixa verde "ASSINAR".
Flynn é um tenente-general aposentado do Exército que serviu como diretor da Agência de Inteligência de Defesa antes de se tornar assessor de segurança nacional do Presidente Donald Trump no Dia de Inauguração.
Ele era um forte crítico da política externa do presidente Obama, incluindo sua abordagem "politicamente correta" da ameaça terrorista islâmica.
"Estamos cansados ​​dos discursos vazios de Obama e de sua retórica equivocada. Isso causou que o mundo não tenha respeito pela palavra dos Estados Unidos, nem teme o nosso poder ", disse Flynn em seu discurso na Convenção Nacional Republicana em julho.

"Movendo-se muito rápido"

Savage, um grande defensor de Trump durante sua campanha, já expressou preocupação que o círculo íntimo de Trump está fazendo com que ele se mova muito rápido, levando a erros caros.
"Eu acho que Trump está em perigo a menos que ele acorda para o fato de que aqueles ao seu redor podem não estar agindo, digamos, em seu melhor interesse", disse Savage aos seus ouvintes.
Savage disse que Trump está "se movendo muito rápido e com problemas errados".
"Ele deveria ter começado com algo menos controverso do que ele, e ele deveria ter ido um pouco mais lento", disse Savage.
A mensagem de Savage sobre as fronteiras, a língua e a cultura foi um elemento importante na campanha, e Trump foi um convidado frequente no programa de Savage. Savage descreveu seu último livro, "Terra Ardida: Restaurando o País Depois de Obama", como "um plano arquitetônico para Trump".
Ele está prestes a lançar um livro sobre o novo presidente, "Trump's War: His Battle for America.

 http://www.wnd.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário