20 de fevereiro de 2017

Tensão cresce entre aliados Rússia e Bielorrúsia

Rússia e Bielorrússia desmoronam enquanto Putin perde paciência

FILE - In this Thursday, Feb. 25, 2016 file photo, Belarusian President Alexander Lukashenko, left, and Russian President Vladimir Putin attend the talks in Minsk, Belarus. In more than two decades in power, the autocratic leader of Belarus has cast his nation as Moscow's closest ally, securing tens of billions of dollars in Russian subsidies. Now, the Kremlin finally seems to have lost patience with its unruly ally. (Yekaterina Shtukina/Pool Photo via AP, File)
Arquivo - Nesta quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016 arquivo foto, o líder linha dura da Bielorrússia Alexander Lukashenko, à esquerda, e o presidente russo Vladimir Putin assistir às conversações em Minsk, na Bielorrússia. Em mais de duas décadas no poder, o líder autocrático da Bielorrússia lançou sua nação como o aliado mais próximo de Moscou, garantindo dezenas de bilhões de dólares em subsídios russos. Agora, o Kremlin finalmente parece ter perdido a paciência com seu aliado ingovernável. (Yekaterina Shtukina / Pool Foto via AP, Arquivo) (The Associated Press)

Resultado de imagem para russia e bielorrússia

MINSK, Bielorrússia - Em mais de duas décadas no poder, o líder autocrático da Bielorrússia lançou sua nação como o aliado mais próximo de Moscou, conseguindo dezenas de bilhões de dólares em subsídios russos.
Ao mesmo tempo, o ditador  Alexander Lukashenko tem habilmente explorado os medos de segurança da Rússia por ocasionalmente chegar ao Ocidente para ganhar concessões de Moscou. Agora, o Kremlin finalmente parece ter perdido a paciência com seu aliado rebelde, soletrando um fim a um relacionamento que foi descrito como dando afastado de "óleo para beijos."
O conflito espiral entre os vizinhos chegou a tal nível de tensão que alguns analistas têm falado sobre a Rússia, possivelmente, encenando um "golpe de Estado palaciano" contra Lukashenko. Visivelmente nervoso com as intenções da Rússia, o líder bielorrusso garantiu recentemente a sua nação de 10 milhões de pessoas que "não haverá guerra" entre os dois países.
Lukashenko procurou apresentar a Bielorrússia como um parceiro indispensável para a Rússia e um baluarte contra a OTAN. Ao mesmo tempo, ele periodicamente fez insinuações para o Ocidente, explorando magistralmente o medo de Moscou de perder um aliado crucial para ganhar mais ajuda financeira.
Agora parece que o presidente russo Vladimir Putin está cansado dos jogos de Lukashenko. A reunião programada entre os dois na semana passada foi adiada indefinidamente, e a Rússia estabeleceu controles de fronteira em sua fronteira anteriormente livre e desprotegida com a Bielorrússia.
Putin e Lukashenko nunca se deram nada bem, e é difícil imaginar qualquer afinidade entre o frio e reservado ex-oficial da KGB e o frio, turbulento e violento bielorrusso, ex-diretor da fazenda estadual.
Lukashenko lidera com mão de ferra a Bielorrússia desde 1994, estendendo seu poder através de eleições que o Ocidente criticou como antidemocráticas, mantendo a maior parte da economia nas mãos do Estado e implacavelmente reprimindo a oposição e a mídia independente.
Mas a dependência da Rússia e o desejo de Moscou de manter um aliado militar no seu flanco ocidental ajudaram a reduzir as diferenças - até recentemente.
Quando a Bielorrússia se recusou no ano passado ao preço que a Rússia cobrava por seu gás natural, acumulando uma dívida de US $ 550 milhões, Moscou atingiu Minsk em seu ponto mais fraco ao cortar os estoques de petróleo. Desde o colapso da União Soviética em 1991, a Bielorrússia usou o petróleo bruto russo para produtos que representavam mais de um terço de suas receitas de exportação.
O ataque se intensificou com Lukashenko lembrando os representantes bielorrussos de uma aliança econômica dominada pela Rússia e ignorando sua recente cúpula. Ele então aumentou as apostas, abolindo os vistos para viajantes de curta duração de 80 nações, incluindo os EUA e a União Europeia. O movimento irritou a Rússia, que expressou preocupação de que os visitantes estrangeiros possam atravessar a fronteira descontrolada com a Bielorrússia.
Moscou respondeu estabelecendo unilateralmente controles nas fronteiras - uma medida que Lukashenko alertou poder´q desencadear um "conflito sério".
Ele desafiou ainda mais o Kremlin ordenando que seu ministro do Interior abrisse um inquérito criminal contra o principal funcionário sanitário da Rússia por proibir as importações de produtos alimentares bielorrussos. A Rússia proibiu algumas importações agrícolas da Bielorrússia, acusando-a de se tornar um canal para o contrabando de alimentos ocidentais banidos em retaliação às sanções dos EUA e da UE contra Moscou.
O Kremlin respondeu que o oficial russo estava apenas fazendo seu trabalho, e observou que as entregas de petróleo barato para a Bielorrússia custaram à Rússia mais de US $ 22 bilhões em receita perdida em 2011-15. A energia barata, junto com bilhões de dólares em empréstimos russos, reforçou a economia soviética da Bielorrússia, que se baseou em seu vizinho oriental como seu principal mercado de exportação.
A Rússia e a Bielorrússia tiveram disputas econômicas antes, mas cada vez Moscou cedeu às demandas de Lukashenko e restaurou os subsídios. A controvérsia a mais atrasada, entretanto, parece mais profunda, e Putin parece improvável retroceder.
"Há limites para a capacidade de um Estado fraco de ditar seus termos a um país mais forte", disse o especialista em economia Vladislav Inozemtsev no rádio Ekho Moskvy de Moscou.
Lukashenko soou invulgarmente tenso em uma recente conferência de imprensa.
"Por que nos pegar pela garganta?" ele perguntou.
"Ninguém vai nos ocupar, ninguém enviará tropas", disse ele em uma aparente referência aos temores de que a Rússia poderá tentar usar manobras militares conjuntas maciças programadas na Bielorrússia no final deste ano para invadir o país. "As tropas russas que entrarão na Bielorrússia vão ter que ir embora".
A declaração parecia refletir as suspeitas de Lukashenko sobre as intenções do Kremlin após a anexação da península da Criméia da Ucrânia em 2014 e o apoio aos separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia.
Lukashenko nunca reconheceu a Criméia como parte da Rússia e também se recusou a seguir o exemplo quando Moscou reconheceu as províncias separatistas da Geórgia da Ossétia do Sul e Abcásia como estados independentes após uma breve guerra entre a Rússia e a Geórgia em 2008.
O Centro de Estudos de Política Estratégica e Estrangeira em Minsk advertiu recentemente que o Kremlin poderá tentar enviar tropas para a Bielorrússia.
"A ameaça da Rússia de provocar um conflito interno na Bielorrússia atingiu um nível máximo", disse Yuri Tsarik, chefe do programa russo do centro.
Durante vários anos, Lukashenko resistiu firmemente ao empurrão do Kremlin para que a Bielorrússia abrigasse uma base aérea russa, provavelmente temendo que pudesse servir como ponto de apoio para Moscou, como na Criméia, onde a Rússia havia alugado uma base naval antes da anexação.
"Lukashenko lembra muito bem que a apreensão da Crimeia começou a partir de base russa", disse o analista Valery Karbalevich, com sede em Minsk. "Depois da Criméia, Minsk sentiu um perigo real, e Lukashenko começou a procurar maneiras de resistir à pressão russa".
Em uma tentativa de contrariar a Rússia, Lukashenko tentou consertar os laços com o Ocidente, e reduziu sua repressão à dissidência.
A UE e os EUA recuaram recentemente as sanções que aplicaram à Bielorrússia após eleições relativamente mais simples e a libertação de prisioneiros políticos. Mas a esperança da Bielorrússia de obter um empréstimo de US $ 3 bilhões do FMI permaneceu indescritível.
"Lukashenko precisa de Moscou, e o Kremlin sabe disso", disse Alexander Klaskovsky, um estudioso político independente em Minsk. "Em troca de subsídios, Putin espera que a Bielorrússia mostre apoio e disciplina, e não mexa  a cauda para o Ocidente".
Ele prevê que Putin provavelmente não recorreria à força.
"A estratégia do Kremlin é assustar Lukashenko e depois fazer um acordo com ele, colocando-o em uma trela mais curta", disse Klaskovsky.

Nenhum comentário:

Postar um comentário