20 de fevereiro de 2017

Irã fará manobras militares desafiando EUA

In this photo released by the Islamic Republic News Agency (IRNA), members of the Iranian Revolutionary Guard celebrate after launching a missile during their maneuver in an undisclosed location in Iran, Tuesday, July 3, 2012. Iran's powerful Revolutionary Guards test fired several ballistic missiles on Tuesday, including a long-range variety capable of hitting U.S. bases in the region as well as Israel, Iranian media reported.THE ASSOCIATED PRESS HAS NO WAY OF INDEPENDENTLY VERIFYING THE CONTENT, LOCATION OR DATE OF THIS IMAGE.

Irã vai fazer exercícios militares em desafio às sanções dos EUA

© AP Photo/ Mostafa Qotbi/IRNA

A Guarda Revolucionária do Irã deve realizar exercícios militares com o uso de mísseis na próxima semana, de acordo com um comunicado do comando sênior iraniano. O anúncio vem depois que um novo conjunto de sanções foi imposto ao país pelo presidente dos EUA, Donald Trump.

Irã realizará manobras militares chamadas "Grande Profeta 11" na próxima semana, disse o general iraniano Mohammad Pakpour.

"As manobras [...] começarão segunda-feira e durarão três dias", disse ele durante uma conferência de imprensa.

Pakpour observou que os mísseis serão usados ​​durante os exercícios, mas não especificou que tipo de mísseis.

Este será o segundo exercício militar iraniano em fevereiro. No início deste mês, o Irã realizou exercícios militares com o objetivo de "mostrar o poder da revolução iraniana e descartar as sanções", de acordo com o site da Guarda Revolucionária.

"Se vemos o menor passo em falso dos inimigos, nossos mísseis rugindo cairão sobre suas cabeças", disse o general Amir Ali Haijazadeh durante o exercício.

A notícia vem na esteira da imposição da administração Trump de um novo conjunto de sanções ao Irã como resposta a um teste de mísseis balísticos conduzido no início de janeiro, e após vagas e ameaçadoras declarações de que o Irã havia sido "avisado".

"O Irã faria bem em olhar para o calendário e perceber que há um novo presidente no Escritório Oval. E o Irã faria bem em não testar a determinação desse novo presidente", disse o vice-presidente Mike Pence no início deste mês, Trump administração caracteriza como uma postura de posição muito suave sobre o Irã tomadas pelo ex-presidente Barack Obama.

De acordo com vários relatos da mídia, as sanções da Trump foram direcionadas para indivíduos e empresas iranianas, libanesas, emirenses e chinesas envolvidas na aquisição de tecnologia de mísseis balísticos para o Irã; Ou vários indivíduos supostamente envolvidos na lavagem de dinheiro para o Hezbollah no Líbano.

O Irã alega que seus mísseis balísticos são projetados apenas para fins defensivos e não são projetados para transportar uma ogiva nuclear. Teerã insiste em que seu teste de mísseis de janeiro não viola nem o acordo nuclear, oficialmente conhecido como Plano Completo Conjunto de Ação (JCPOA), alcançado em 2015, nem a resolução da ONU pedindo ao Irã que se abstenha de testar sistemas de armas

A mídia assume que o teste de mísseis de janeiro foi, de fato, o teste do Irã de até que ponto o governo de Trump estava pronto para ir, e quão rápido. O Washington Post cita uma fonte anônima na administração dizendo que as sanções eram um passo "inicial" em um plano de medidas destinadas a influenciar as políticas iranianas. Quando perguntado se os EUA considerariam usar uma ação militar em resposta a tensões crescentes com Teerã no início de fevereiro, Trump disse a repórteres que "nada está fora da mesa".

Nenhum comentário:

Postar um comentário