13 de março de 2017

Al Qaeda o retorno

Antes dos EUA bater ISIS na Síria, Al Qaeda está ressurgente


DEBKAfile Relatório exclusivo 13 de março de 2017, 11:29 AM (IDT)

Al Qaeda blows up Shiite pilgrim buses in Damascus
Al Qaeda explode  ônibus com peregrinos xiitas em Damasco

O principal impulso da campanha contra o Estado Islâmico na Síria ordenada pelo governo Trump ainda está à frente, mas as forças ISIS não esperaram em sua fortaleza Raqqa para o machado a cair. Eles se mudaram sudeste para a região de Deir ez-Zour, onde eles estão batendo de volta Hizballah elite Radwan Batalhão, que acaba de ser implantado lá.
Mas, entretanto, uma nova e velha ameaça levantou a cabeça: a Al Qaeda e suas afiliadas sírias que estão se apoderando da crescente turbulência na Síria para uma nova onda de terror. Sábado, 11 de março, duas explosões de bomba mataram 74 peregrinos, a maioria deles xiitas iraquianos, em uma visita a um antigo cemitério na Cidade Velha de Damasco. A segunda explosão foi adiada para atingir a polícia síria e os socorristas correndo para a cena.
O mesmo ramo da Al Qaeda planejou e perpetrou o ataque terrorista de grande escala contra as instalações militares do governo sírio na cidade de Homs, no dia 25 de fevereiro. Dois generais estavam entre as dezenas de soldados mortos.
Especialistas em contraterrorismo estão alertando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para que com muito cuidado na ofensiva que ele está se preparando para lançar contra a ISIS na Síria, uma vez que a derrota dessa organização pode abrir a porta para um retorno da Al Qaeda.
Foi o que aconteceu na sequência da vitória da Síria, liderada pela Rússia, em Aleppo, em janeiro, segundo fontes militares e de inteligência da DEBKAfile. Após a dissolução dos grupos rebeldes sírios derrotados, que foram forçados a deixar a cidade do norte e ir para a vizinha Idlib, centenas de rebeldes permaneceram e recusaram-se a entregar armas. Em vez disso, eles se juntaram à Al Qaeda e fizeram do grupo terrorista islâmico a mais poderosa força rebelde independente ainda lutando no norte da Síria, bem como nas áreas circunvizinhas das principais cidades, incluindo Damasco, Homs e Hama.
Em 26 de janeiro, a Al Qaeda anunciou sua fusão com quatro facções menores sob outra nova marca, Hayat Tahrir al-Sham (Libertação da Organização Levant). O novo equipamento atraiu muitos novos recrutas que nunca antes tinham sido ligados à Al Qaeda.
Hashim al-Sheikh aka Abu Jabir, que lutou contra os americanos na guerra do Iraque sob Abu Mussab al-Zarqawi, foi nomeado líder da nova aliança terrorista islâmica. Reputado para ser um hábil tático de guerra que nunca desiste, sua nomeação atraiu outra onda de combatentes rebeldes sírios.
O primeiro comandante de Al Nusra, Abu Mohammad al-Joulani, entretanto reapareceu como cabeça de um grupo que se chamava Hay'at Tahrir al-Sham. Joulani tentou afirmar que ele opera independentemente da Al Qaeda, embora de fato siga as ordens de Ayman Al-Zawahiri à letra e, de acordo com algumas fontes, está secretamente trabalhando de mãos dadas com Hashim al-Sheikh.
Uma fonte adicional da renovada força da Al Qaeda vem do sucesso das forças combinadas russo-iraniano-hezbollah para esmagar todos os grupos rebeldes sírios que uma vez lutaram contra a organização jihadista. Sua desintegração deixou os seguidores de Zawahiri na Síria sem adversários eficazes. Mas tem seu calcanhar de Aquiles também nas guerras turf entre os grupos componentes do ramo da Síria - especialmente na província de Idlib, no norte.
De acordo com nossas fontes militares, os comandantes russo, sírio, iraniano e do Hezbollah estão juntos pesando uma operação para tomar o controle de Idlib. No entanto, lá também, se os rebeldes sírios, que são fugitivos de outras frentes, são levados para o leste ou para o sul, a Al Qaeda pode voltar a ser a vencedora.
Portanto, mesmo se o Presidente Trump e seus generais estiverem resolvidos a se concentrar totalmente em uma operação militar para capturar a fortaleza de Raqqa - que, entretanto, está vazia do caça - é essencial separar forças de combate suficientes para lidar com o ressurgimento da Al Qaeda. Se não o fizessem, as forças dos EUA na frente de Raqqa seriam vulneráveis ​​aos ataques da Al Qaeda, como os russos e iranianos encontraram desde que conquistaram Aleppo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário