1 de maio de 2017

Coréia do Norte já avisa da vinda de novo teste nuclear desdenhando dos EUA e aliados




Coréia do Norte alerta para teste nuclear 'a qualquer momento'

 1 maio 2017

North Korea has carried out five nuclear tests in the last 11 years and is widely believed to be making progress towards its dream of building a missile capable of delivering a warhead to the continental United StatesA Coréia do Norte realizou cinco testes nucleares nos últimos 11 anos e acredita-se que esteja progredindo em direção ao seu sonho de construir um míssil capaz de entregar uma ogiva aos Estados Unidos continentais (AFP Photo / STR)




Seul (AFP) - A Coréia do Norte advertiu nesta segunda-feira que irá realizar sim um teste nuclear "a qualquer momento e em qualquer local", estabelecido por sua liderança suprema, na última retórica para alimentar o nervosismo na região.

As tensões na península coreana estão em alta há semanas, com sinais de que o Norte esteja  preparando um lançamento de mísseis de longo alcance ou um sexto teste nuclear - e com Washington se recusando a descartar um ataque militar em resposta.

Um porta-voz do Ministério do Exterior norte-coreano disse que Pyongyang está  "totalmente pronta para responder a qualquer opção tomada pelos EUA".

O regime continuará a reforçar suas capacidades de "ataque nuclear preventivo" a menos que Washington negue suas políticas hostis, disse ele em um comunicado divulgado pela agência estatal de notícias KCNA.

"As medidas da RPDC para reforçar a força nuclear ao máximo serão tomadas de forma consecutiva e sucessiva a qualquer momento e em qualquer lugar decidido por sua liderança suprema", acrescentou o porta-voz, aparentemente referindo-se a um sexto teste nuclear e usando o oficial Nome do norte comunista , República Democrática Popular  da Coréia.

O Norte realizou cinco testes nucleares nos últimos 11 anos e acredita-se que esteja progredindo em direção ao seu sonho de construir um míssil capaz de entregar uma ogiva aos Estados Unidos continentais.


Ele levanta o tom de suas advertências a cada primavera, quando Washington e Seul realizam exercícios conjuntos que condena como ensaios de invasão, mas desta vez os temores de conflito foram alimentados por um ciclo de ameaças de ambos os lados.

Os exercícios conjuntos acabaram de terminar, mas os exercícios navais continuam no Mar do Japão (Mar do Leste) com um grupo de ataque dos EUA liderado pelo porta-aviões US Carl Vinson.

O porta-voz do ministério das Relações Exteriores de Pyongyang disse que se o norte não estivesse armado com "a poderosa força nuclear", Washington teria "cometido sem hesitação o mesmo ato de agressão contra a Coréia do que o que cometeu contra outros países".

A declaração reafirma a longa retórica do Norte sobre suas capacidades militares.

Seul também adverte regularmente que Pyongyang pode realizar um teste sempre que decidir fazê-lo.

A mais recente tentativa de força de Pyongyang foi um teste de mísseis falhado no sábado, que ocorreu apenas algumas horas depois que o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, pressionou o Conselho de Segurança da ONU a fazer mais para empurrar o Norte para abandonar seu programa de armas.

Tillerson alertou o Conselho de Segurança da ONU na semana passada de "conseqüências catastróficas" se o mundo não agir e dissesse que as opções militares para lidar com o Norte ainda estavam "sobre a mesa".

Em uma entrevista que foi ao ar no domingo no programa "Face the Nation" da rede de TV CBS, Trump disse que se a Coréia do Norte realizar outro teste nuclear "eu não ficarei nada  feliz".

Perguntado se "não feliz" significava "ação militar", Trump respondeu: "Eu não sei, quero dizer, nós veremos."

Nenhum comentário:

Postar um comentário