8 de maio de 2017

Legisladores dos EUA focam na Rússia e Coreia do Norte

Congresso americano pede inspeções de portos do Extremo Oriente da Rússia, sanções contra a Coreia do Norte

Em 4 de maio, a Câmara dos Deputados votou esmagadoramente para impor novas sanções contra a Coreia do Norte visando sua indústria naval e trabalho escravo, entre outras coisas como as tensões continuaram a montar sobre a Coreia do Norte avanço nuclear e mísseis balísticos programas. A Lei de Interdição e Modernização de Sanções da Coreia (HR. 1644) foi concebida para minar a economia da Coreia do Norte, reprimindo a rede de bancos e indústrias que o ajudam a evitar sanções ocidentais. Em particular, rachaduras para baixo sobre o transporte da Coreia do Norte e utilização de portos internacionais.
A lei baralha navios de propriedade da Coreia do Norte ou por países que se recusam a cumprir com as resoluções da ONU operando em águas americanas ou ancorando em portos dos EUA. A legislação também visa aqueles que empregam trabalho escravo da Coreia do Norte. Qualquer pessoa que use o trabalho escravo que a Coreia do Norte exporta para outros países seria sujeito a sanções ao abrigo da Lei Internacional de Poderes Económicos de Emergência.
A Lei também exige que a administração Trump determine dentro de 90 dias se a Coreia do Norte é um patrocinador estadual do terrorismo. Tal designação desencadearia mais sanções, incluindo a restrição à assistência externa dos EUA.
O projeto inclui "autoridades de inspeção" sobre os portos chineses, iranianos, sírios e russos. Estes últimos incluem os portos de Nakhodka, Vanino e Vladivostok.
Nenhuma resolução do Conselho de Segurança da ONU delegou a autoridade para inspecionar os portos estrangeiros para os Estados Unidos. A inclusão de tais medidas é vista como um ato hostil. A legislação é uma flagrante violação do direito internacional.
Talvez os legisladores norte-americanos não tenham sido informados de que as inspecções dos navios na Ásia-Pacífico são reguladas pelo Memorando de Entendimento sobre o Controlo do Estado do Porto na Região Ásia-Pacífico, conhecido como MOU de Tóquio, em vigor desde Abril de 1994. A seção 3, denominada Procedimentos de Inspeção, Rectificação e Detenção, descreve em detalhes os procedimentos de inspeção de navios. Segundo o documento, os EUA não têm direitos especiais para inspecionar navios estrangeiros.
Suponha que a Rússia ou a China introduzissem uma legislação especial que prevê "autoridades de fiscalização" em relação aos navios mercantes dos EUA e a determinados portos americanos, o Congresso o aceitaria? Será que a administração e os legisladores dos EUA vão suportar isso? Os representantes não percebem que o projeto viola o conceito de segurança internacional e receberá uma resposta adequada?
O texto do projeto de lei exige o cumprimento das resoluções da ONU, mas nenhuma resolução do Conselho de Segurança jamais mencionou os portos marítimos russos. Os legisladores não entendem que a ideia de inspecionar os portos e os navios russos é tão realista quanto os cães que cumprem a proibição dos ladrões? É surpreendente que o projeto de lei em questão foi aprovado por essa maioria esmagadora, sem muito debate sobre as consequências se se torna lei.
O Congresso anterior foi a todo o comprimento para estragar as relações bilaterais com a Rússia. O Congresso atual está fazendo a mesma coisa. Assim que as perspectivas para melhorar as relações russo-americanas se abrirem, o Congresso entra para criar obstáculos artificiais no caminho. Sempre a mesma música e dança.
Aqui está outro exemplo. Em 3 de maio, a Câmara dos Deputados aprovou a Lei de Autorização de Inteligência (IAA) para o Ano Fiscal de 2017. O projeto prevê a criação de um novo comitê poderoso para impedir a "interferência política russa secreta em todo o mundo". O novo órgão reuniria os representantes do FBI, Departamento de Estado, Pentágono, Gabinete do Diretor de Inteligência Nacional, Departamento de Justiça, Departamento do Tesouro, as 16 agências de inteligência e qualquer outra agência, se o presidente o julgar necessário.
Suas atividades podem ser ampliadas para incluir "outras funções que o presidente possa designar" o que constitui um mandato potencialmente expansivo. O projeto exige que a comissão prepare um relatório anual aos principais painéis do Congresso sobre os esforços anti-russos. Assim, haverá um novo comitê criado para duplicar o trabalho de outras agências. Este é um bom exemplo do que a burocracia inchada significa.
O projeto de lei também restringiria os diplomatas russos de viajarem mais de 50 milhas de embaixadas e consulados oficiais sem a permissão efetiva do diretor do FBI.
Os presidentes russo e norte-americano falaram por telefone no dia 2 de maio, discutindo as perspectivas de cooperação em problemas tão ardentes como a Coreia do Norte e a Síria. Nenhum deles pode ser resolvido sem a coordenação das atividades entre as duas grandes potências. As questões estão na agenda mundial e o interesse é comum. Se o referido projeto se tornar lei, o confronto seria inevitável. Ninguém vai ganhar, todo mundo vai perder. Esperemos que o Senado e o Presidente Trump sejam razoáveis ​​o suficiente para impedir que isso aconteça.
A fonte original deste artigo é Strategic Culture Foundation

Nenhum comentário:

Postar um comentário