3 de maio de 2017

Maduro quer novas mudanças na Constituição


Maduro da Venezuela pede mudanças constitucionais em meio à agitação


Marilia Brocchetto, Editor Sênior de Notícias, International Desk
Por Marilia Brocchetto e Rafael Romo, CNN

3 de maio de 2017

(CNN) Os líderes da oposição venezuelana criticaram nesta segunda-feira o anúncio do presidente Nicolas Maduro de que ele está pressionando por mudanças na Constituição.

Maduro assinou uma ordem executiva que formará uma "Assembléia Nacional Constituinte" - um órgão que poderia fazer essas mudanças. Permitiria também a remodelação do atual órgão legislativo, bem como a redefinição dos poderes executivos do Presidente.
Enquanto Maduro forneceu poucos detalhes, ele disse que o novo corpo contaria com "cerca de 500 constituintes", que serão eleitos durante uma votação "direta e secreta".
"Precisamos modificar esse estado, especialmente a podre Assembléia Nacional que está atualmente lá", disse Maduro. O corpo é controlado pela oposição.
Maduro anunciou seus planos mais cedo ao falar a uma multidão grande de suportes do governo que se tinham recolhido para celebrações do dia de maio.
Enquanto a atmosfera no discurso de Maduro era de excitação e celebração, em outros lugares em Caracas, os manifestantes da oposição estavam sendo recebidos com gás lacrimogêneo e canhões de água. Os manifestantes da oposição estão nas ruas desde o início de abril, pedindo eleições.

Os eleitos representariam todos os setores da sociedade venezuelana, incluindo trabalhadores, jovens, mulheres, camponeses, pensionistas e indígenas, entre outros. Ele disse que cerca de 200 a 250 seriam eleitos por voto direto.
Ele enfatizou que os eleitos para o corpo seria escolhido pelo povo - e não pelos partidos políticos.
Leonel Alfonso Ferrer, advogado constitucional venezuelano, disse à CNN en español que, a curto prazo, nada muda.

"O país continuará a ser governado pelas instituições políticas que tem atualmente, a presidência permanecerá nas mãos de Nicolas Maduro, a Assembleia Nacional venezuelana será ainda controlada pela oposição e assim por diante. No lugar e seus membros sejam escolhidos, que a assembléia, como um poder constituinte original, terá poderes que estão acima da Constituição e, eventualmente, será capaz de reescrever a Constituição e transformar o estado [...], bem como remover o presidente, A Assembleia Nacional e o Supremo Tribunal ".
A última vez que a Venezuela convocou uma Assembléia Nacional Constituinte foi em 1999, quando o então presidente Hugo Chávez elaborou a atual Constituição do país. Maduro disse que seria um capítulo especial na história do país, um movimento para derrotar o "golpe facista" e para promover a paz e a estabilidade no país.
A oposição chamou este movimento de Maduro de "auto-golpe". O líder da oposição Henrique Capriles disse que Maduro estava "matando a Constituição venezuelana".
Julio Borges, líder da Assembléia Nacional, ecoou a declaração de Capriles, chamando-a de golpe contra a Constituição ea democracia. Ele chamou isso de fraude.
"O que aconteceu hoje, e eu digo, sem exagerar ou tentar ser dramático, é o maior golpe na história da Venezuela. É Nicolas Maduro dissolvendo a democracia e dissolvendo a nossa república." Diante disso, o Partido da Unidade Democrática e os membros da Assembléia Nacional convidar o povo venezuelano a se rebelar e se recusar a aceitar este golpe. "

Agitação crescente


A Venezuela tem sido abalada por protestos violentos nas últimas semanas, enquanto os líderes da oposição se defrontaram com Maduro e seus seguidores.O procurador-geral da Venezuela disse que pelo menos 29 pessoas foram mortas desde o início dos protestos no início de abril. Esse número inclui muitos casos não relacionados aos protestos políticos, incluindo incidentes de pilhagem, descobriu a CNN.Venezuela entra em "crise econômica profunda"Anti-governo manifestantes querem Maduro para demitir-se e novas eleições ser realizada. O governo bloqueou repetidamente qualquer tentativa de expulsar Maduro do poder por meio de uma votação no referendo. Também atrasou as eleições locais e estaduais.
Preço dos alimentos dispara na Venezuela

A última votação realizada na Venezuela, a eleição parlamentar de 2015, deu à oposição uma maioria. Os críticos dizem que as eleições foram adiadas porque Maduro tem medo do resultado.
A turbulência política vem contra o pano de fundo de um agravamento da crise econômica. Apesar de ter as maiores reservas de petróleo comprovadas do mundo, a Venezuela está rapidamente sem dinheiro, e seu povo tem lutado por anos com falta de alimentos e médicos, juntamente com preços subindo rapidamente.

O jornalista Stefano Pozzebon contribuiu para este relatório de Caracas.

Um comentário:

  1. A madura precisa regularizar a producao de alimentos e industrias de alimentos e bens de consumo mais necessarios a populacao perturba da venezuela. deve deportar os trairas infiltrados la. Mais se a madura for pessimo negociante e comerciante e com pessimo crescimebto economico da venezuela a coisa vai ficar mais preta ainda pra ele !

    ResponderExcluir