6 de maio de 2017

Rússia e a Síria

Rússia e as 4 zonas de cessar-fogo sírio - Kremlin manobra 

DEBKAfile Análise exclusiva 06 de maio de 2017, 12:54 (IDT)

O plano amplamente divulgado do Kremlin para criar quatro zonas seguras ou "de-escalonamento", que deveriam ter entrado em vigor na Síria na sexta-feira, 5 de maio, não é mais do que uma manobra de propaganda. O fator de giro salta aos olhos da pequena impressão do plano que foi liberado pelo general Sergey Rudskoy, chefe da Divisão de Operações do Estado-Maior da Rússia, na noite de sexta-feira. Ele delineou quatro etapas que nunca vão decolar1. Serão criados pontos de observação para acompanhar o cessar-fogo (nas quatro zonas designadas de desclassificação).Então, quando as zonas putativas de segurança foram ter começado a operar sexta-feira à noite, não havia pontos de observação para monitorá-los.2. Os limites das zonas serão determinados de acordo com os pontos de observação.Isso significa que as zonas não existem.3. Até 4 de junho, será criada uma equipe de trabalho formada por oficiais dos três garantes, a Rússia, a Turquia e o Irã, para administrar os pontos de observação.Quem pode dizer o que vai acontecer na Síria em um mês.4. Somente após os grupos de observação dos exércitos dos três países patrocinadores terminarem de mapear as zonas de cessar-fogo, pode-se determinar se o plano é praticável ou não.Ainda sem zonas.A máquina de propaganda russa trabalhou horas extras neste fim de semana para convencer a mídia ocidental de que o plano de zonas de cessar-fogo havia conquistado o apoio dos Estados Unidos e da Arábia Saudita.A verdade é que o presidente dos EUA Donald Trump não se comprometeu de uma forma ou de outra quando falou ao telefone com o presidente Vladimir Putin na terça-feira, 2 de maio, embora a maior parte de sua conversa fosse dedicada à Síria, e não à crise norte-coreana. Não houve acordo entre eles sobre qualquer questão síria, exceto por uma decisão de que as forças americanas e russas no país devastado pela guerra ficariam fora do caminho um do outro.Em suma, o plano de Moscou para o plano de cessar-fogo, embora efetivamente propagandizado, não mudou nada na sangrenta situação da Síria.O secretário de Estado, Rex Tillerson, falou por telefone sexta-feira ao ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, após o que fez a seguinte declaração: "O secretário aguarda com expectativa novas reuniões com o ministro das Relações Exteriores para discutir os respectivos papéis Dos Estados Unidos e da Rússia em desincrustar o conflito e apoiar as negociações em Genebra para mover a solução política para a frente ".Tillerson não fez nenhuma menção a quaisquer zonas seguras que Moscow afirma estar estabelecendo-se com Ancara e Teerã, ou da conferência de paz da Síria patrocinada pela Rússia em Astana, no Cazaquistão.Grupos rebeldes, supostamente mantendo um diálogo com representantes do regime de Assad, saíram da quarta rodada na semana passada. E o governo Trump parece não querer dar o seu apoio à iniciativa de paz patrocinada pela Rússia, preferindo apoiar-se firmemente no processo de Genebra patrocinado pela ONU.Turquia e Irã, os outros dois "patrocinadores" da estrutura de Astana e supostos "garantes" das zonas seguras, são estranhamente silenciosos sobre os papéis que lhes foram atribuídos pelo Kremlin. E não admira. Como rivais na arena síria, as suas forças são disputadas entre si, tanto na Síria como no Iraque. É difícil vê-los trabalhando ombro a ombro ao lado dos oficiais russos para monitorar as zonas de segurança que ainda são torta no céu.

A situação no momento é a seguinte: no Iraque, as tropas turcas e iranianas - essencialmente milícias pró-iranianas sob o comando de oficiais da Guarda Revolucionária - se encaram em dois frentes de guerra, Tel Afar e Sinjar. Na Síria, cada um de seus exércitos está pronto para pegar Al-Bab na província de Alepo.A única mudança real na situação militar da Síria é um sub-reptício, que pode apresentar um perigo novo e abrangente: O Hezbollah xiita libanês concordou em colocar os 8.000 membros lutando na Síria por Bashar Assad sob comando direto iraniano. Isso faz parte de uma reorganização radical de todos os equipamentos militares que o Irã tem implantado na Síria, segundo os quais todas as milícias xiitas, incluindo o Hezbollah, caem doravante diretamente sob um único comando centralizado iraniano.Esta mudança fundamental no equilíbrio militar na Síria foi iniciada pelo general Qassem Suleiman, comandante das forças iranianas na Síria e no Iraque, de Al Qods. Ele convenceu o líder supremo Ayatollah Ali Khamenei de que não havia outra maneira de salvaguardar a supremacia militar do Irã na arena de guerra síria, garantir uma ponte terrestre para o Líbano ou mobilizar-se taticamente para futuros confrontos com Israel.O governante sírio também se submeteu a essa etapa. Portanto, o Hezbollah e as milícias xiitas operarão doravante sob as ordens da missão militar iraniana que tem seu assento no Quartel General do Alto Comando sírio em Damasco.Essa "reorganização" abre a porta para que os oficiais do Hezbollah assumam uniformes do exército iraniano e atuem como "monitores de cessar-fogo" se as zonas fictícias de segurança da Rússia começarem a sair do chão.E outra porta aberta para o Irã e seus representantes para estabelecer uma presença beligerante. Um mapa divulgado pelo ministério russo de relações exteriores sábado das quatro "zonas seguras" na Síria abrange não só o sul da Síria, mas Quneitra e o Golã  israelense. O cessar-fogo nessas zonas deve ser monitorado por oficiais do Exército russo, iraniano e turco. Eles também serão zonas de exclusão aérea, indicando que a força aérea israelense será impedida de voar sobre seu enclave de Golã, caso o plano russo jamais decole.

2 comentários:

  1. Ótima postagem gostei muito, ganhou um fã abraços.

    Me segue, que eu sigo de volta!

    http://nintudo.blogspot.com.br/

    https://plus.google.com/+NinTudo/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Abraços, seja bem vindo.
      Vou ver sua página.
      Bom fim de semana

      Excluir