8 de junho de 2017

Guerra Fria 2.0

25 mil soldados para participar dos maiores exercícios do Mar Negro liderados pelos EUA em julho


8 de junho de 2017

As maiores manobras lideradas pelos EUA na área do Mar Negro neste ano verão 25 mil soldados americanos e aliados reunidos na Bulgária, Hungria e Romênia neste julho para os exercícios anuais "Saber Guardian 2017".
A quinta edição dos jogos de guerra  do Saber Guardian anual, prevista para 10 a 20 de julho, será "maior em escala e escopo" em comparação com os anos anteriores, informou o Comando Europeu dos EUA em um comunicado.
Isso irá acumular cerca de 25 mil militares dos EUA e outras 23 nações, tornando-o "o maior dos 18 exercícios da região do Mar Negro neste ano".

De acordo com o Comando Europeu dos EUA, os exercícios se concentrarão em "capacidades de dissuasão dos participantes, especificamente, a capacidade de forças de massa em qualquer momento em qualquer lugar da Europa".
As forças participantes também participarão de uma série de exercícios de fogo vivo, cruzamentos de rios e um exercício de acidentes em massa.
A terceira equipe de combate da brigada blindada com sede na Europa, a 4ª Divisão de Infantaria e o 2º Regimento de Cavalaria representam o exército dos EUA durante os exercícios.
Os exercícios Saber Guardian serão precedidos e seguidos por uma série de exercícios menores, no que os americanos chamam de "dissuasão em ação".
Também na quarta-feira, o Comando Europeu dos EUA anunciou a chegada de "vários" bombardeiros pesados ​​do B-1B da Base da Força Aérea de Ellsworth em Dakota do Sul para a Base Aérea de Fairford no Reino Unido.
Os bombardeiros apoiarão os exercícios separados de Sabre Strike e BALTOPS que terão lugar nos países Bálticos e em outros lugares da Europa em junho.
O Saber Strike é um exercício anual que foi organizado pela primeira vez em 2010 para melhorar a cooperação entre aliados, promovendo a estabilidade e a segurança regionais, afirmou o Comando Europeu dos EUA.
O capítulo atual dos chamados manobras multinacionais BALTOPS envolverá 4.000 funcionários da Marinha, 50 navios e submarinos e mais de 50 aeronaves.
Na terça-feira, a Rússia atacou jatos para interceptar um bombardeiro estratégico com capacidade nuclear dos EUA B-52 que estava voando em um espaço aéreo neutro sobre o Mar Báltico ao longo da fronteira russa.
A OTAN usou o conflito da Ucrânia e a reunião da Criméia com a Rússia em 2014 como pretexto para impulsionar a sua presença militar na Europa Oriental, o que diz que é necessário tranquilizar os aliados diante da "ameaça russa".
A aliança militar liderada pelos EUA está realizando regularmente exercícios perto das fronteiras da Rússia, envolvendo números de tropas e hardware não vistos desde a Guerra Fria.
A Rússia nega ter algum desenho agressivo na Europa Oriental e acredita que a OTAN está vilipendiando Moscou para justificar o aumento das despesas de defesa entre os países na aliança militar.
Moscou vê a implacável acumulação militar da OTAN nos países vizinhos como uma ameaça à  sua segurança e respondeu através do fortalecimento de suas próprias forças na parte ocidental da Rússia.
Na terça-feira, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, culpou a OTAN de retornar à "política de divisão de linhas na Europa" ao comentar a inclusão do Montenegro como o 29º membro do bloco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário