23 de fevereiro de 2015

Querem aventar de possíveis ADM na Líbia nas mãos de ISIS para uma forjada justificativa para mais guerra

Jornal da Arábia declara que o Estado Islâmico poderá obter armas químicas da Líbia









ADM efetivamente angaria consenso público para a guerra, mesmo quando elas não existam
 
Kurt Nimmo
PrisonPlanet.com  23 de fevereiro de 2015
 
Mais de um ano atrás The New York Times relatou  de que as últimas armas químicas  do coronel Muammar al-Kadafi haviam sido destruídas.
 
Em fevereiro passado, alegou-se todas as armas químicas da Líbia foram destruídas.
 
Os EUA e  a Líbia "usaram uma tecnologia de forno transportável para destruir centenas de bombas e disparos de artilharia cheios de agente mostarda mortal, que as autoridades americanas temiam poderiam cair nas mãos de terroristas", informou o jornal em 02 de fevereiro de 2014.
O esforço foi realizado com financiamento concedido pelo programa de Cooperativa para Redução de Ameaças Nunn-Lugar com a ajuda da Defesa no Pentágono e a Threat Reduction Agency e Parsons Corporation, empresas de construção que perderam milhões de dólares de impostos dos EUA no Iraque.
  Agora que os EUA e a União de países do Golfo treinaram e e financiaram o Estado Islâmico que  ameaça tomar a Líbia, na sequência da invasão norte-americana do país norte africano , o jornal árabe baseado em Londres o  Asharq Alawsat diz  que as armas químicas permanecem na Líbia e estão em perigo de cair as mãos do Estado islâmico.
Asharq Alawsat é um ativo de mídia controlado pela família real saudita.Milícias extremistas na Líbia tomaram esconderijos de armas químicas que pertenciam ao falecido governante Muammar Gaddafi, fontes no país," The Times of Israel relatam.
  "As fontes expressaram preocupação de que o armamento não convencional, que inclui o gás mostarda, gás sarin, poderão encontrar o seu caminho nas mãos de combatentes do Estado islâmico".
 A afirmação contradiz o que disseram autoridades e ao informarem o Times em fevereiro passado.
"A eliminação do último lote de armas químicas da Líbia encerra um capítulo que o coronel Kadafi começou no início de 2004, quando seu governo virou um vasto esconderijo de tecnologia e de arsenais químicos e  nucleares para os Estados Unidos, Grã-Bretanha e os inspetores nucleares internacionais", acrescentou o Times .

ADM: ferramenta eficaz de Propaganda
As armas de destruição em massa  um ardil antes da invasão do Iraque provou ser imensamente bem sucedida em angariar o consenso necessário para a guerra.
 Além disso, embora a maioria dos americanos estão relutantes em intervir diretamente na "guerra civil" por procuração dos EUA atualmente em curso na Síria, as pesquisas mostram oposição à intervenção militar diminuindo quando a ameaça de armas químicas é introduzida.
O trunfo das WMD está sendo jogado agora que ISIS está supostamente ameaçando transformar a Líbia em uma base rebelde na margem sul do Mediterrâneo, algumas centenas de quilômetros de Itália e da Europa.
Ao longo da última semana, a mídia corporativa tem jogado para cima e exagerando a perspectiva de uma "porta de entrada" para o ISIS da Líbia para a Europa.
 Quilliam, um think tank britânico anti-terrorismo ligado ao CFR, divulgou um relatório afirmando que o Estado Islâmico vai inundar a Europa com 500.000 migrantes provenientes da Líbia em um ataque "psicológico" contra o Ocidente .
A urgência foi adicionada à alegada ameaça quando o chanceler italiano, Paolo Gentiloni disse ao parlamento que ISIS tem a vontade de alinhar com as milícias islâmicas na Líbia.
"Existe um risco evidente de uma aliança que está sendo forjada entre grupos locais e o Daesh e é uma situação que tem de ser acompanhado com o máximo de atenção", disse Gentiloni aos parlamentares.
"Estamos diante de um país com um vasto território e instituições falidas e que tem consequências potencialmente graves, não só para nós, mas para a estabilidade e sustentabilidade dos processos de transição nos países africanos vizinhos."
"O tempo à nossa disposição não é infinito e está em perigo de ficar sem em breve."
Esta urgência agora está sendo utilizada mais uma vez, explorando a ameaça sensacionalista de armas de destruição em massa, apesar da declaração anterior de que a Líbia foi varrida de armas químicas mais do que um ano atrás.


ste artigo foi publicado: segunda-feira, 23 de fevereiro, 2015 em 13:31

Nenhum comentário:

Postar um comentário