16 de dezembro de 2016

Guerra na Síria

modo férias



O papel   russo na queda de Aleppo impacta a política dos EUA


DEBKAfile Exclusive Analysis 16 de Dezembro  2016, 9:13 AM (IDT)

A queda de Aleppo no regime de Assad com a rendição das forças rebeldes sírias bloqueadas em um canto dos distritos orientais, quinta-feira, 15 de dezembro, foi o mais desastroso revés militar e estratégico que aconteceu na administração Obama por dois anos. Começou a evoluir em setembro de 2015, quando a Rússia intensificou sua intervenção militar na guerra da Síria e resgatou Bashar Assad.
Quando Aleppo sucumbiu ao exército do governo apoiado pela Rússia e seus aliados, o Irã, o Hezbollah e outras milícias Shite, não caiu sozinho. Derrubou toda a arquitetura de posições apoiadas pelos EUA no norte da Síria. Os EUA investiram e treinaram grupos locais, como a milícia síria curda e o exército rebelde sírio livre, como o alicerce para sua política e interesses no conflito. Esses grupos derreteram.
Os reconhecidos senhores do norte da Síria hoje são o presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que podem reivindicar a vitória de Alepo. Bashar Assad e Irã são reduzidos a jogar segundo violino. Mas enquanto o chefe iraniano Qassem Soleimani comandou forças pro-iranianas na região, a América foi despojada de todos os seus recursos militares e não tem nenhuma palavra real no próximo capítulo da horrível guerra.
Daí o apelo desesperado do secretário de Estado norte-americano, John Kerry, na quinta-feira, em uma conferência de imprensa para derrubar o derramamento de sangue e o sofrimento: "Não podemos ter outra Srebrenica" - uma referência ao massacre sérvio de 8.000 sérvios da Bósnia em 1995 - disse ele.
Kerry trabalhou incansavelmente por uma solução diplomática para a terrível guerra síria, mas seu apelo recai sobre os sentidos endurecidos pelos muitos em  Srebrenica perpetrados em mais de cinco anos de conflito. Centenas de milhares de civis e soldados foram abatidos - de acordo com uma estimativa não oficial de até um milhão - e muitos submetidos à guerra química. O secretário não pode contar com o Kremlin para ceder e assim, mesmo depois que os últimos rebeldes sírios e suas famílias estão fora de Aleppo, o assassinato continuará.
Em Washington, a 10 mil quilômetros de distância, a calamidade de Alepo está sendo transformada em instrumento político. A denúncia foi ouvida quinta-feira que o "mesmo Vladimir Putin", que patrocinou as atrocidades em Aleppo, também interferiu na eleição presidencial dos EUA, enviando hackers para influenciar os resultados em favor de Donald Trump. A alegação é promovida por porta-vozes da administração Obama e do Partido Democrata, cuja candidata Hillary Clinton perdeu a eleição. Parece ser alimento para uma campanha partidária do Partido Democrático que se prepara para iniciar o processo de impeachment do presidente eleito, mesmo antes de ser eleito presidente em 20 de janeiro.
O fator de Putin é útil para a tática mais recente de uma série perseguida desde as eleições de 8 de novembro, por deslegitimar a vitória de Trump e negar sua aptidão para chegar à Casa Branca.
Esta campanha pode ressoar fortemente na política e na posição futuras da América como uma potência do mundo, porque foi projetada obstruir o trajeto de Trump a um acordo com Putin para resolver o conflito sírio. O governo Obama não deseja que o novo presidente seja bem-sucedido, onde falhou por quase seis anos.
Putin não terá escrúpulos em capitalizar a preocupação de Washington com sua luta pelo poder interno e vai construir tantos ganhos na Síria quanto puder antes de Donald Trump assumir. A ameaça de Obama sexta-feira, 12 de dezembro, para retaliar os esforços da Rússia para influenciar a eleição presidencial apenas vai provocar o presidente russo a mover-se mais rápido e com mais determinação em sua garra para mais ativos na Síria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário