22 de dezembro de 2016

Rússia nuclear

modo férias

Putin pede ajuda de armas nucleares russas


Maria Antonova
AFP 22

A Russian Topol-M intercontinental ballistic missile is driven through Red Square in Moscow in May 2009
View photos
Um míssil balístico russo Topol-M intercontinental é conduzido através da Praça Vermelha em Moscou em maio de 2009 (AFP Photo / DMITRY KOSTYUKOV)



O presidente da Rússia, Vladimir Putin, pediu nesta quinta-feira que o país reforce seu potencial nuclear militar e elogiou o desempenho do Exército na sua campanha na Síria.

Em um discurso que recapitulou as atividades militares em 2016, Putin disse que a preparação do exército "aumentou consideravelmente" e pediu a melhoria contínua que asseguraria que ele pode "neutralizar qualquer ameaça militar".

"Precisamos fortalecer o potencial militar das forças nucleares estratégicas, especialmente com os complexos de mísseis que podem penetrar de forma confiável qualquer sistema de defesa de mísseis existente e em potencial", disse o homem forte do Kremlin.

"Devemos monitorar cuidadosamente todas as mudanças no equilíbrio de poder e na situação político-militar do mundo, especialmente ao longo das fronteiras russas, e adaptar rapidamente os planos para neutralizar as ameaças ao nosso país".

Ele disse que as forças armadas russas demonstraram com sucesso suas capacidades na Síria, mostraram sua tecnologia aos potenciais compradores de armas e ajudaram o exército sírio a fazer avanços consideráveis.

"O exército sírio recebeu apoio considerável, graças ao qual realizou várias operações bem sucedidas contra os militantes", disse ele.

"O uso eficaz das armas russas na Síria abre novas possibilidades para a cooperação militar-técnica.

"Temos de tirar o máximo proveito disso, sabemos que há interesse nas armas russas modernas de parceiros estrangeiros".

A Rússia começou sua campanha de bombardeio na Síria em setembro de 2015 em apoio ao presidente Bashar al-Assad, com suas forças especiais também operando no solo no país.

O ministro da Defesa, Sergei Shoigu, disse que os militares usaram "162 tipos de armamentos modernos durante a campanha militar na Síria", incluindo seus aviões de combate Sukhoi e helicópteros MiG e Kamov.

"Eles têm mostrado ser altamente eficaz", disse ele.

- «35 000 combatentes» -

Shoigu produziu números para toda a campanha na Síria, mas não mencionou qualquer estimativa de baixas civis.

Os aviões russos "liquidaram 725 campos de treinamento, 405 fábricas de armas e oficinas, 1.500 peças de equipamentos terroristas e 35.000 caças, incluindo 204 comandantes de campo", disse ele.

A força aérea russa realizou um total de 18.800 saídas e realizou 71 mil ataques desde o início de sua campanha, disse Shoigu.

"Em geral, a operação permitiu (nós) resolver vários problemas geopolíticos", disse ele.

"Nós prejudicamos consideravelmente organizações terroristas internacionais na Síria, paramos sua expansão ... (e) impedimos a dissolução da Síria".

A Rússia está priorizando seus parceiros asiáticos, incluindo Índia e China para a venda de armas, acrescentou.

Shoigu disse que as atividades da OTAN ao longo das fronteiras ocidentais da Rússia cresceram oito vezes na última década, forçando Moscou a enviar mais aviões de guerra para impedir quebra do espaço aéreo russo.

No próximo ano, quatro outros sistemas anti-mísseis S-400 serão entregues ao exército, e a Rússia prestará atenção especial ao seu flanco ocidental e ao Ártico, disse ele.

"Em primeiro lugar, vamos continuar a aumentar as capacidades militares ... tomar medidas para reforçar as tropas nos setores estratégicos ocidentais, do sudoeste e do Ártico", disse Shoigu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário