30 de dezembro de 2016

Trégua mediada por russos e turcos já começa mal na Síria

modo férias

Combates, ataques aéreos e outros incidentes  arruínam a trégua proposta por Rússia e Turquia na Síria

By John Davison and Ellen Francis | BEIRUT
Os confrontos, bombardeios intensos e ataques aéreos no oeste da Síria prejudicaram um cessar-fogo apoiado pela Rússia e pelos turcos, que pretendia acabar com quase seis anos de guerra e levar a conversações de paz entre rebeldes e um governo encorajado pelo recente sucesso no campo de batalha.
O presidente russo, Vladimir Putin, um dos principais aliados do presidente sírio, Bashar al-Assad, anunciou o cessar-fogo na quinta-feira depois de ter firmado o acordo com a Turquia, um antigo apoiante da oposição.
A trégua entrou em vigor à meia-noite, mas monitores e rebeldes relataram confrontos pesados quase imediatos, e a violência parece ter aumentado ainda mais na  tarde na sexta-feira, enquanto aviões de combate bombardearam áreas no noroeste do país, disseram.
Asaad Hanna, um oficial político do Exército Sírio Livre (FSA), uma aliança frouxa de grupos insurgentes, disse à Reuters que a violência havia diminuído, mas não havia parado.
"Não podemos ser otimistas sobre alguém como os russos que nos mataram há seis anos ... eles não são anjos, mas estamos felizes porque estamos reduzindo a violência e trabalhando para encontrar uma solução para a situação atual", disse Hanna .
O cessar-fogo seria um primeiro passo para novas negociações de paz, depois de vários esforços internacionais fracassados ​​neste ano para travar o conflito, que começou como uma revolta pacífica e desceu para a guerra em 2011.
Resultou em mais de 300.000 mortes, deslocou mais de 11 milhões de pessoas e atraiu o envolvimento militar de potências mundiais e regionais, incluindo Moscou e Ancara.
O acordo negociado pela Rússia e pela Turquia, que garantiu a trégua, é o primeiro de três acordos de cessar-fogo neste ano que não envolvem os Estados Unidos ou as Nações Unidas.
Moscou está empenhada em avançar com as negociações de paz, organizado pelo seu aliado Cazaquistão. Mas o primeiro desafio será manter a trégua, que parecia chocante na sexta-feira.

AVISOS E HELICÓPTEROS

Os aviões de guerra do governo sírio realizaram quase 20 ataques contra rebeldes em várias cidades ao longo da fronteira provincial entre Idlib e Hama, disse o Observatório Sírio para os Direitos Humanos. Os confrontos entre grupos rebeldes e forças governamentais ocorreram durante a noite na área, disseram o Observatório e oficiais rebeldes.
Helicópteros e aviões de caça também atingiram o noroeste de Damasco, no vale do Wadi Barada, onde soldados e tropas aliadas se enfrentaram com rebeldes, informou o Observatório britânico.
Uma unidade de mídia militar dirigida pelo aliado de Damasco, Hezbollah, negou qualquer ataque aéreo do governo sírio na área.
Um funcionário do grupo rebelde Nour al-Din al-Zinki disse que as forças do governo também tentaram avançar na província de Aleppo.

left

right
Um homem monta uma bicicleta perto de edifícios danificados na cidade assediada rebelde de Douma, no subúrbio de Ghouta, Syria do leste de Damasco 30 de dezembro de 2016. REUTERS / Bassam Khabieh
1/10
Não houve comentários imediatos do exército sírio nos confrontos desta  sexta-feira.
Moradores de várias áreas mantidas pelos rebeldes, incluindo cidades da província de Idlib, usaram a tensa calma relativa para realizar protestos de rua contra o governo sírio na sexta-feira, disse o Observatório.
Uma série de grupos rebeldes assinaram o novo acordo, disse o Ministério da Defesa da Rússia na quinta-feira. Vários oficiais rebeldes reconheceram o acordo, e um porta-voz da FSA disse que respeitaria a trégua.
Hanna, oficial da FSA, disse que os rebeldes ainda não responderam aos ataques de forças pró-governo e pediram à Turquia para garantir que os ataques cessem.
"Se os combates voltarem, responderemos a todas as fontes de fogo, estamos monitorando os combates, mas nossas armas estão prontas", disse ele.

COLAPSOS  ANTERIORES
Os dois últimos cessar-fogo da Síria, negociados por Washington e Moscou, entraram em vigor em fevereiro e setembro, mas ambos entraram em colapso dentro de semanas, enquanto os lados guerrilheiros se acusavam de violações de trégua e os combates intensificavam-se.
Putin disse que as partes estavam preparadas para iniciar as negociações de paz destinadas a ter lugar em Astana. A mídia estatal síria disse na quinta-feira que essas negociações terão lugar "em breve".
O governo sírio estará negociando a partir de uma posição forte depois que seu exército e seus aliados, incluindo as milícias xiitas apoiadas pelo Irã, juntamente com o poder aéreo russo, derrubaram rebeldes em seu último baluarte urbano de Aleppo este mês.
A campanha aérea de Moscou desde setembro do ano passado transformou a guerra em favor de Assad, e os últimos rebeldes deixaram Aleppo para áreas que ainda estão sob controle rebelde a oeste da cidade, incluindo a província de Idlib.
Na sexta-feira, o embaixador russo nas Nações Unidas disse que Moscou divulgou uma proposta de resolução no Conselho de Segurança da ONU que endossaria o cessar-fogo e disse que espera que o conselho vote na resolução no sábado.
Em outro sinal de que a última trégua poderá ser desafiada para  se manter como seus antecessores, havia confusão sobre qual grupos rebeldes serão abrangidos pelo cessar-fogo.
O exército sírio disse que o acordo não inclui o grupo radical islâmico Estado Islâmico, os combatentes do ex-ramo da Al-Qaeda, a Frente de Nusra, ou quaisquer facções ligadas a esses grupos jihadistas.
Mas vários oficiais rebeldes disseram na quinta-feira que o acordo incluiu a ex-Frente Nusra - agora conhecida como Jabhat Fateh al-Sham - que anunciou em julho que estava cortando laços com a Al Qaeda.
Um porta-voz de Jabhat Fateh al-Sham criticou o cessar-fogo por não mencionar o destino de Assad e disse que a solução política sob este acordo "reproduz o regime criminoso".
"A solução é derrubar o regime criminoso militarmente ", disse ele em um comunicado na sexta-feira.
O poderoso grupo insurgente islâmico Ahrar al-Sham disse que não havia assinado o acordo de cessar-fogo por causa de "reservas", mas não elaborou.

RÚSSIA-TURQUIA DETENTE
O acordo segue um degelo nos laços entre a Rússia e a Turquia.
Ancara apoia rebeldes lutando contra o Estado Islâmico, que tem feito inimigos de todos os outros lados envolvidos no conflito.
Em sinal da distensão, as forças armadas turcas disseram na sexta-feira que aviões russos realizaram três ataques aéreos contra o Estado islâmico na área de al-Bab, no norte da Síria.
Ankara insistiu na partida de Assad, mas sua remoção tornou-se uma preocupação secundária para combater a expansão da influência curda no norte da Síria. As chances de os oponentes de Assad o afastarem do poder agora parecem mais remotas do que em qualquer momento da guerra.
O turco exige que os combatentes do movimento libanês Hezbollah deixem a Síria pode não agradar ao Irã, outro importante apoiante de Assad. O Hezbollah tem lutado ao lado das forças do governo sírio contra rebeldes.
Na quinta-feira, um alto oficial do Hezbollah disse que a ala militar do partido permaneceria na Síria.
Os Estados Unidos, nos últimos dias do governo do presidente dos EUA, Barack Obama, foram marginalizados em negociações recentes e não devem participar das conversações do Cazaquistão.
A Rússia disse que os Estados Unidos poderiam aderir a um novo processo de paz depois que o presidente eleito Donald Trump tomar posse no dia 20 de janeiro. Ele também quer que o Egito se junte à Arábia Saudita, Catar, Iraque, Jordânia e Nações Unidas.
Trump disse que cooperará mais estreitamente com a Rússia para combater o terrorismo, mas não ficou claro como seria essa política, dada a resistência do Pentágono e da comunidade de inteligência norte-americana a uma cooperação mais estreita com a Rússia na Síria.

(Reportagem adicional de Lisa Barrington em Beirute, Suleiman al-Khalidi em Amã, Jonathan Landay em Washington, Tulay Karadeniz e Orhan Coskun em Ankara e David Ingram em Nova York, Edição de Anna Willard)

Nenhum comentário:

Postar um comentário