4 de março de 2017

OTAN considerará ato de guerra se houve intromissão russa nas eleições dos EUA

O comandante da OTAN declara que a intromissão da Rússia na eleição dos EUA poderá ser "ato de guerra"


NATO Secretary-General Jens Stoltenberg holds up a ceremonial hammer at the start of a NATO-Georgia defence ministers meeting at the Alliance headquarters in Brussels, Belgium February 16, 2017.

O vice-comandante supremo aliado da OTAN, a Europa, declarou que a suposta intromissão russa nas eleições americanas pode ser considerada um "ato de guerra" e solicitar uma resposta militar.
O general Sir Adrian Bradshaw, cidadão do Reino Unido, alegou que uma "campanha de desinformação internacional" através de sites como Sputnik News e Russia Today também poderia ser incluída na definição da OTAN de um "ataque".
De acordo com o tratado da OTAN, "um ataque armado contra um ou mais [membros] será considerado um ataque contra todos eles", e os aliados podem usar qualquer ação necessária para a defesa. Nos últimos anos, isso foi expandido para incluir ataques cibernéticos e hackers.

"É uma decisão política, mas não é fora de questão que agressão, agressão flagrante, em um domínio diferente da guerra convencional pode ser considerada como o Artigo Cinco", disse Bradshaw ao The Times. O Artigo Cinco considera um ataque a um Estado membro como sendo "um ataque a todos". Ele declarou ainda que isso irá entrar em vigor, "quando declarado ser".

Bradshaw acrescentou que a organização "considera o ciber como um domínio na guerra, ao lado da aérea, marítima, das forças especiais e da terra".
"É difícil imaginar qualquer conflito futuro que não inclua um elemento cibernético substancial.

"Não é apenas a ameaça de ataque militar, mas é uma série de outras medidas, incluindo atividades secretas, paramilitares e não-militares, algumas das quais serão coordenadas pelos braços da inteligência da Rússia", disse Bradshaw em janeiro. Conselho de Relações Exteriores evento.

"E nós, como a OTAN, precisamos ter nossa antena sintonizada com os sinais de que esse tipo de atividade hostil está acontecendo", acrescentou.

As declarações de Bradshaw vêm como Democratas, e alguns anti-Trump republicanos neo-conservadores, continuam lutando para ligar os membros do governo Trump à Rússia.
Em janeiro, o senador republicano John McCain declarou que a Rússia é  uma ameaça maior para os Estados Unidos do que o ISIS e repetidamente ecoou os ex-candidatos à candidatura democrata Hillary Clinton ao uso da força militar contra Moscou.


2 comentários:

  1. A otan é igual cão pequeno late late mas não morde.

    ResponderExcluir
  2. Eles precisam de uma guerra com a Rússia ou a China. Não importa. Precisam desesperadamente salvar suas economias cambaleantes e sua civilização agonizante. Não importa o custa de vida envolvido em uma guerra como essa, o importante é a economia. Esses caras são loucos, psicopatas e precisam urgente de internação. Ainda bem que até o momento a Rússia tem se mantido em equilíbrio, mesmo com tantas provocações do lado ocidental, caso contrário o mundo já estaria agonizando há algum tempo já com o inverno nuclear pós 3 guerra mundial.

    ResponderExcluir