4 de março de 2017

Rússia adverte em tom de brincadeira embaixador dos EUA na Rússia

Zakharova adverte embaixador dos EUA sobre os riscos de se conversar com diplomatas russos


Press briefing by Russian Foreign Ministry Spokesperson Maria ZakharovaA porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse em tom de brincadeira ao embaixador dos Estados Unidos na Rússia, John Tefft, que ele deve se abster de se reunir com políticos e autoridades russos se não quiser se tornar a próxima vítima do que o presidente Donald Trump declarou "caça às bruxas".

Zakharova deixou claro que ela acredita que tais reuniões podem não ser seguras para as autoridades americanas, numa época em que a mídia e os legisladores estadunidenses estão ocupados com os representantes da nova administração que podem ou não ter tido contatos com a Rússia antes da vitória de Trump Nas eleições presidenciais de 2016.
Na sexta-feira, a porta-voz escreveu na página do Facebook que, naquele mesmo dia, ela se deparou com o embaixador dos Estados Unidos no lobby do Ministério das Relações Exteriores e deixou com alegria Tefft saber que ele estava agindo de maneira descuidada ao não interromper todos os contatos com diplomatas russos, , E políticos.
"Você está se colocando em perigo", ela brincou com Tefft, acrescentando: "E se a CNN descobrir?"

Em 3 de março, Tefft se reuniu com o vice-ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergey Ryabkov, para discutir questões de relações bilaterais, de acordo com o serviço de imprensa do Ministério das Relações Exteriores.
A CNN informou recentemente, referindo-se a funcionários anônimos do governo dos EUA, que os órgãos de inteligência dos EUA consideraram o embaixador da Rússia nos EUA, Sergey Kislyak, como um "espião" ou "recrutador de espionagem". O principal meio de comunicação não forneceu provas para apoiar suas acusações.
Falando em uma entrevista coletiva quinta-feira, Zakharova condenou os relatos como uma opinião pública enganosa, nos EUA e no mundo, e chamando-o de "vandalismo da mídia".

"É o fundo do poço, que a mídia ocidental bateu," ela perguntou, "ou ainda há algum lugar para ir?"

"Vou revelar um segredo militar: os diplomatas estão trabalhando, e seu trabalho consiste em fazer contatos na nação anfitriã."

Em fevereiro, o conselheiro da Segurança Nacional dos Estados Unidos, Michael Flynn, renunciou, em meio a questionamentos da mídia sobre a sua dissimulação de supostos laços com Kislyak, com quem ele teria discutido sanções contra a Rússia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário