19 de abril de 2018

China faz exercício surpresa em apoio a Rússia

China faz de última hora ao vivo manobra  em Show de apoio a Rússia



Para causar "problemas" para os Estados Unidos

Paul Joseph Watson
19 de abril de 2018

nulo

Um dos objetivos do exercício de combate com fogo vivo de última hora da China no Estreito de Taiwan nesta semana foi enviar uma mensagem de apoio à Rússia em face das crescentes tensões sobre a Síria com os Estados Unidos, segundo especialistas.

A manobra, que incluiu o grupo de ataque da companhia aérea de Liaoning e foi a primeira na região por três anos, foi principalmente uma ameaça de invasão contra Taiwan, mas essa não era sua única intenção.

Uma fonte próxima à Marinha do Exército de Libertação do Povo disse ao South China Morning Post que o exercício também tinha a intenção de comunicar o apoio de Pequim a Moscou diante das ameaças dos EUA.

"O aviso do presidente dos EUA, Donald Trump, de ataques militares às forças da Síria foi uma surpresa para Pequim e Moscou", disse a fonte. "Como parceira estratégica da Rússia, Pequim está tentando causar problemas para os Estados Unidos em tempo oportuno e controlado, sendo que uma manobra no Estreito de Taiwan é a opção mais plausível que beneficiará tanto Xi quanto seu colega russo, Vladimir Putin."

O analista militar Antony Wong Dong chegou à mesma conclusão, comentando: “Pequim está tentando dar algum alívio à Rússia a partir das disputas com os EUA sobre a crise na Síria”.

Os exercícios de fogo ao vivo no Estreito de Taiwan se seguiram aos exercícios navais da semana passada no Mar da China Meridional, que envolveram cerca de 10 mil pilotos, fuzileiros navais e marinheiros do Exército Popular de Libertação, que embarcaram em 48 navios de guerra e 76 aeronaves. O exercício foi o maior exercício da marinha da China em 600 anos.

Segundo o autor Steven Mosher, o exercício parece algo que precederá uma guerra mundial.

"Isso me lembrou de Mussolini revendo sua marinha nos dias que antecederam a Segunda Guerra Mundial ou Hitler revendo suas divisões Panzer", disse Mosher.

“Lá você tem Xi Jinping, o novo imperador vermelho, vestindo um uniforme militar dando um discurso muito militarista a seus soldados reunidos que estão gritando em uníssono com o presidente Xi Jinping. Deve causar um arrepio na espinha de qualquer um que esteja familiarizado com a história das últimas décadas. ”

*********************

Nenhum comentário:

Postar um comentário