19 de abril de 2018

Israel adverte Rússia de que não se limitará em agir na Síria

A Rússia não pode limitar as ações de Israel na Síria: Lieberman


Pela AFP


Israeli Defence Minister Avigdor Lieberman arrives for the inauguration of an underground military operation centre in the Israeli settlement of Katzrin in the Golan Heights on April 10, 2018O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, chega para a inauguração de um centro de operações militares subterrâneas no assentamento israelense de Katzrin, nas colinas de Golan, em 10 de abril de 2018

Israel não aceitará limitações em suas "ações" na Síria por iniciativa da Rússia ou de qualquer outro país, adiantou o ministro da Defesa, Avigdor Lieberman, , uma semana depois de um ataque mortal atribuído ao Estado judeu.

"Manteremos total liberdade de ação. Não vamos aceitar nenhuma limitação quando se trata de defender nossos interesses de segurança", disse Lieberman em uma entrevista em vídeo ao site de notícias Walla em resposta a uma pergunta sobre as críticas da Rússia à recente ação. .

"Mas não queremos provocar os russos. Temos uma linha aberta de comunicação no nível dos oficiais superiores. Os russos nos entendem e o fato é que durante anos conseguimos evitar o atrito com eles" na Síria.

Lieberman acusou novamente o principal inimigo de Israel, o Irã, de tentar se fortalecer militarmente na vizinha Síria e ameaçar seu país.

"Não toleraremos uma força militar iraniana significativa na Síria, na forma de portos e aeroportos militares, ou o emprego de armas sofisticadas", disse Lieberman.

Em 9 de abril, sete pessoas iranianas estavam entre as 14 pessoas mortas em um ataque matinal na base aérea T-4 na Síria, com os aliados do regime, Irã e Rússia, culpando Israel pelo ataque.

O presidente russo, Vladimir Putin, pediu mais tarde ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que não tome nenhuma atitude que possa desestabilizar ainda mais a situação na Síria.

Israel não confirmou nem negou a responsabilidade, mas disse repetidamente que não pode aceitar o Irã se estabelecendo militarmente na Síria.

Israel tem procurado evitar o envolvimento direto na guerra civil da Síria, mas reconhece a realização de dezenas de ataques aéreos para impedir o envio de armamentos avançados para o grupo xiita libanês Hezbollah, outro de seus inimigos.

O Hezbollah, como o Irã e a Rússia, está apoiando o presidente sírio Bashar al-Assad na guerra. O Irã também apóia o Hezbollah.

Netanyahu também expressou "apoio total" aos ataques liderados pelos EUA no fim de semana contra a Síria devido ao suposto uso de armas químicas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário