24 de abril de 2018

Iêmen

Bombardeios a um casamento pela Coalisão Árabe  apoiada pelos EUA ao Iêmen, matando dezenas  


FONTE: MINT PRESS

Semanas depois de o presidente Donald Trump agradecer ao príncipe herdeiro da Arábia Saudita pelo uso de seu poder militar nos Estados Unidos, a coalizão apoiada pelos EUA bombardeou uma festa de casamento no Iêmen, matando pelo menos 20 civis, incluindo a noiva. O número de vítimas deverá aumentar.

Na mídia social, o jornalista Glenn Greenwald lembrou os leitores da conexão dos EUA com o ataque da Arábia Saudita ao empobrecido país, que levou ao que a ONU chamou de "a pior crise humanitária do nosso tempo" - e que não seria possível sem apoio dos EUA.

No Iêmen de hoje, os sauditas bombardearam um casamento, matando pelo menos 20 pessoas, incluindo a noiva. Eles mataram "principalmente mulheres e crianças". Os EUA e Reino Unido - que alguns acreditam fazer intervenções humanitárias - ambos desempenham papéis vitais na destruição saudita do Iêmen https://t.co/496jXAigq7

- Glenn Greenwald (@ggreenwald) 23 de abril de 2018
O bombardeio saudita de uma festa de casamento no Iêmen - em um país onde eles, juntamente com seus parceiros dos EUA e do Reino Unido, criaram uma das piores crises humanitárias do mundo - ocorre apenas algumas semanas depois dessa orgia de amor do tapete vermelho pelo tirano saudita pelas elites americanas mais brilhantes: pic.twitter.com/z0yRs23Ahl

- Glenn Greenwald (@ggreenwald) 23 de abril de 2018
O massacre em um casamento na província de Hajjah, controlada pelo Houthi, aconteceu poucas semanas depois que o príncipe Mohammed bin Salman (MbS) visitou os EUA, posou para fotos com líderes empresariais ricos e se encontrou com Trump na Casa Branca.

O presidente elogiou a Arábia Saudita por seu apoio aos EUA no comércio de armas, "na forma da compra dos melhores equipamentos militares em qualquer parte do mundo", e disse à imprensa que as baixas civis na guerra da coalizão liderada pela Arábia Saudita Os rebeldes houthi no Iêmen "não surgiram de maneira importante".

A Arábia Saudita e os EUA até agora conseguiram escapar da culpa oficial pela crise humanitária do Iêmen ao estabelecer um painel para investigar ataques  que mataram civis, o que eliminou a coalizão de responsabilidade.

A Human Rights Watch criticou o painel por “não cumprir os padrões internacionais em matéria de transparência, imparcialidade e independência”.

Mais de 10.000 civis foram mortos na guerra no Iêmen desde 2015, e outros dois milhões de pessoas foram deslocadas, segundo as Nações Unidas.

Foto superior | Médicos atendem pessoas feridas por ataques aéreos enquanto participam de um casamento em uma vila no noroeste do Iêmen, em um hospital em Hajjah. (Foto: Reuters)

Nenhum comentário:

Postar um comentário