19 de abril de 2018

Novos ataques químicos podem ocorrer na Síria

Fonte alerta sobre possíveis  novas provocações químicas na Síria


Política e diplomacia russa 19 de abril


Jabhat al-Nusra e unidades afiliadas do Exército Livre da Síria atraíram mais de 12 mil militantes para realizar uma ofensiva contra as tropas do governo, disse a fonte.


MOSCOU, 19 de abril / TASS /. Outras provocações com armas químicas improvisadas não são excluídas na Síria para justificar uma possível ofensiva liderada por Jabhat al-Nusra contra as tropas do governo no sul da Síria, disse uma fonte diplomática militar na quinta-feira.

De acordo com a fonte, o Jabhat al-Nusra sozinho e unidades afiliadas do Exército Livre da Síria (FSA) retiraram mais de 12.000 militantes e centenas de peças de hardware para encenar uma ofensiva as posições das tropas do governo. A ofensiva seguirá as alegações de que as tropas do governo violam o cessar-fogo.

"Para encenar uma ofensiva nas posições das tropas do governo, apenas as unidades afiliadas do Exército Livre da Síria (FSA) retiraram mais de 12.000 militantes e centenas de peças de hardware, dezenas de múltiplos sistemas de lançadores de mísseis que receberam por meio de corredores controlados. por grupos armados ilegais ao longo da fronteira com Israel e Jordânia ", disse a fonte, acrescentando que a ofensiva seria fundamentada por declarações de militantes sobre supostas violações do cessar-fogo do exército sírio.

"Para ampliar o efeito, não está descartada a possibilidade de mais provocações com o uso alegado de armas químicas improvisadas contra civis", disse a fonte.

Segundo a fonte, o objetivo final da operação é estabelecer uma entidade territorial autônoma com uma capital em Daraa, como no caso dos territórios controlados pelas Forças Democráticas da Síria no nordeste da Síria.

A fonte observou que a situação no sul da Síria deteriorou-se drasticamente nas últimas semanas e, apesar das declarações dos Estados Unidos, "papéis-chave" no vale de Yarmouk são desempenhados não apenas pelo Exército Sírio Livre, mas também por Jabhat al-Nusra e Grupos do Estado Islâmico (organização terrorista ilegalizada na Rússia).

"Comboios de caminhões com cargas supostamente humanitárias chegam regularmente a essa área do outro lado da fronteira com a Jordânia. Mas ninguém sabe que tipo de carga é entregue. Todas as entregas da chamada assistência humanitária são controladas apenas pelos americanos", disse ele.

Em suas palavras, oficiais americanos e jordanianos do centro de monitoramento em Amã relatam regularmente ataques de militantes contra forças do governo nessas áreas. "Mas nenhuma medida está sendo tomada para estabilizar a situação e exterminar os terroristas", acrescentou.

Mais cedo, os chamados Capacetes Brancos e outras organizações não-governamentais alegaram que as tropas do governo sírio haviam lançado uma bomba de cloro em civis na cidade de Douma, no leste de Ghouta. Essas alegações foram usadas pelos Estados Unidos, França e Reino Unido como pretexto para realizar um ataque aéreo maciço contra a Síria em 14 de abril. Até 103 mísseis de cruzeiro foram disparados contra alvos militares e civis, inclusive em um subúrbio de Damasco.




http://tass.com/politics/1000653

Nenhum comentário:

Postar um comentário