21 de abril de 2018

EUA e Rússia

Putin & Trump não permitirá confronto armado entre a Rússia, EUA - Lavrov


21 de abril de 2018

Vladimir Putin e Donald Trump absolutamente não permitirão confrontos armados entre a Rússia e os EUA, disse o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, à RIA Novosti em uma entrevista.

"Falando sobre os riscos de um confronto militar, tenho 100% de certeza de que os militares [dos EUA e da Rússia] não permitirão isso e, claro, nem o presidente [Vladimir] Putin ou o presidente [Donald] Trump", disse Lavrov.

"Afinal, eles são líderes, eleitos pelo seu povo e responsáveis ​​pela sua paz", acrescentou o ministro russo das Relações Exteriores.

Em meio à deterioração das relações entre Moscou e Washington, Lavrov sinalizou que há tentativas de aliviar o nó. Em particular, o ministro das Relações Exteriores anunciou que o presidente dos EUA convidou seu colega russo para Washington durante um telefonema. Trump disse que "ficaria feliz em ver [Putin] na Casa Branca" e acrescentou que "ficaria feliz em fazer uma visita recíproca [a Moscou]".

Durante a entrevista, Lavrov também mencionou os ataques liderados pelos EUA contra a Síria na semana passada. Trump, junto com os aliados do Reino Unido e da França, ordenou o bombardeio após um suposto ataque químico em Douma. Ele chegou horas antes de os especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) começarem uma missão de averiguação lá.

Depois das ações lideradas pelos EUA, a Rússia não tem mais nenhuma barreira moral nas entregas do sistema de mísseis S-300 à Síria, de acordo com o ministro das Relações Exteriores. Moscou prometeu não enviar S-300s para Damasco há cerca de 10 anos a pedido de seus parceiros, disse ele.

"Levamos em consideração o argumento de que isso desestabilizaria a situação, apesar dos sistemas de mísseis serem um sistema puramente defensivo".
“Nós atendemos suas ligações. Mas agora não temos essa obrigação moral ”, declarou Lavrov.

Os sistemas de defesa aérea síria interceptaram 71 dos mais de 103 mísseis lançados contra alvos civis e militares, informou o Ministério da Defesa russo pouco depois dos ataques aéreos. Unidades de defesa aérea russas na Síria não estavam envolvidas em repelir o ataque.

Antes do bombardeio ocidental, a Rússia advertiu os EUA que a passagem de certas "linhas vermelhas" na Síria exigiria medidas de retaliação de Moscou, afirmou Lavrov. O ministro das Relações Exteriores citou o chefe do Estado-Maior da Rússia, Valery Gerasimov, dizendo que se qualquer ação da coalizão ocidental afetar militares russos, Moscou responderá.

Líderes militares russos e generais encontraram seus colegas americanos, que foram informados sobre as chamadas “linhas vermelhas” da Rússia, incluindo “linhas vermelhas” geográficas no solo.

"De qualquer forma ... essas" linhas vermelhas "não foram cruzadas", durante a campanha da coalizão, acrescentou.


Nenhum comentário:

Postar um comentário