16 de abril de 2018

Israel começa a perder o sono com a aliança sírio-russo-iraniana

Ataque Ocidental em bases químicas da Síria isola Israel contra o eixo iraniano-russo

Os ataques aliados dos EUA na Síria aumentaram a apreensão de Israel quanto a ser deixado sozinho para enfrentar uma possível represália iraniana pelo ataque a  T-4. O fato de as forças de Israel estarem mais alertas do que nunca em suas fronteiras do norte com a Síria e o Líbano - dias antes de suas celebrações do aniversário da independência - é uma medida dessa apreensão. Os ataques com mísseis cirúrgicos americanos, britânicos e franceses em três locais de produtos químicos sírios no sábado, 14 de abril, que foram apoiados em Jerusalém, não só deixaram de abordar as preocupações de segurança de Israel, mas os exacerbaram.
O ditador sírio Bashar Assad, comandante em Oriente Médio para o Irã, general Qassem Soleimani e Hassan Nasrallah, do Hezbollah, tinham todos os motivos para respirar aliviados quando ouviram a segurança do governo Trump de que a próxima ação militar só aconteceria se Assad repetisse o uso de armas químicas. depois da atrocidade de Douma. Depois de um ansioso par de semanas, todos os três viram que estavam fora do gancho para mais ação militar dos EUA, seja contra alvos do regime em Damasco, iranianos, xiitas e forças do Hezbollah na Síria - ou mesmo atos de agressão contra Israel.
Nasrallah foi o primeiro a se alegrar abertamente. No domingo, ele colocou em poucas palavras a nova situação: "As ações  ocidentais na Síria não conseguiram aterrorizar o exército, ajudar insurgentes ou até servir aos interesses de Israel".

Sua avaliação foi confirmada pela embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, em entrevista à TV Fox Sunday: Quando perguntado quando as tropas americanas seriam retiradas da Síria como o presidente Donald Trump havia prometido, ela delineou os três objetivos do governo: fim total do uso de armas químicas na guerra da Síria; completa derrota e destruição do Estado Islâmico; mas no terceiro gol, a entrega do embaixador se tornou vaga: ela disse: “E ele queria ter certeza de que tínhamos bons motivos para observar o que o Irã estava fazendo e eles não estavam fazendo um avanço muito agressivo em termos de isso, porque o Irã é uma ameaça nacional aos interesses americanos. ”Nem uma palavra Haley tem a dizer sobre a ameaça representada pela presença militar iraniana na Síria, embora isso seja da maior preocupação para a segurança de Israel.

Portanto, quando o presidente Trump disse que deixaria a Síria "para outros", ele aparentemente incluiu Israel (e a Jordânia), que seriam deixados para enfrentar as ameaças impostas às suas fronteiras por conta própria. O rei da Jordânia, Abdullah, em breve fará rastros a Damasco e buscará garantias de segurança de Assad, em vez de enfrentar uma luta para defender sua fronteira, Israel fica com o apoio dos EUA diminuído na Síria, enquanto o Irã e seus asseclas podem contar com reforço russo .
A decisão do governo Trump de impor novas sanções a entidades russas envolvidas no fornecimento de materiais para a fabricação de armas químicas na Síria, levou o conflito para os canais econômicos. Isso terá o efeito de estreitar a colaboração entre Moscou e Teerã e dar-lhes maior incentivo para o bloqueio de sanções.
O aprofundamento da colaboração russo-iraniana na Síria já está dando aos líderes israelenses noites sem dormir. Oficiais iranianos, sírios e do Hezbollah trabalham juntos no campo, compartilham bases e coordenam suas operações. E agora, Teerã acaba de conceder permissão a Moscou para posicionar bombardeiros Tu-95 e Tu-22M estratégicos russos para operações na Síria, na Base Aérea Shahid Nojeh de Artesh, na província ocidental de Hamedan, no Irã. Israel ainda precisa descobrir como Moscou está compensando Teerã por essa vantagem. Claramente, o Irã terá exigido pagamento em moeda militar para servir seus objetivos bem conhecidos.

3 comentários:

Unknown disse...

Rússia dá uns S300 para Irã da uns para o Líbano e uns para a Síria,assim acaba a festa de rato.

Gabriel disse...

A Rússia esta desmoralizada após os ataques cinjuncon dos Estados unidos,França e reino unido.depois desse fato nenhuma naçan do mundo jamais confiaria nos traidores covardes russos.

Anônimo disse...

Na realidade os russos temem que arsenal químico caia nas mãos do Estado Islâmico que usará esse material para fazer terror contra a própria Rússia. Daí a posição da Russia...