4 de dezembro de 2016

Rússia em alerta para ataques ciber em massa que visam desestabilizar economia do país

Agências de Inteligência estrangeiras lançarão ataques cibernéticos em massa no sistema financeiro russo - FSB


4 de dezembro de 2016


O Serviço de Segurança Federal da Rússia (FSB) tem informações de que as agências de inteligência estrangeiras estão se preparando para lançar ataques cibernéticos destinados a desestabilizar o sistema financeiro da Rússia, começando já na próxima semana.
Os ataques também visarão as atividades dos maiores bancos russos.
Os ataques cibernéticos, que começarão a partir de 5 de dezembro, serão acompanhados por uma enorme campanha de mensagens de texto de spam e uma rede social e blogs inflamatórios - todos relacionados a uma suposta crise no sistema financeiro e de crédito e à falência e revogação de licenças dos principais órgãos federais E os bancos regionais, uma declaração publicada no site do FSB adicionado.
Dezenas de cidades russas serão alvo do ataque cibernético, acrescentou.
Foi estabelecido que os servidores e centros de comando a serem utilizados para os ataques estão localizados na Holanda e pertencem à empresa de hospedagem ucraniana BlazingFast, informou o FSB.
O FSB disse que está tomando medidas para neutralizar as ameaças.
O Ministério das Finanças vê a situação como estável, de acordo com o vice-ministro Aleksey Moiseyev, conforme citado pela TASS.
"Esperamos que os sistemas de segurança cibernética dos bancos serão capazes de repelir [os ataques], pensamos que os bancos são geralmente muito bem preparado. No entanto, se necessário, o Banco Central e o Tesouro fornecerão liquidez adicional ", disse o vice-ministro.
O Ministério das Comunicações da Rússia realizou reuniões de emergência com fornecedores de serviços de comunicações e bancos-chave, dando-lhes orientações sobre como lidar com os ataques cibernéticos, informou o serviço de imprensa do ministério à RIA Novosti.
"Confirmamos a cooperação com o FSB para enfrentar os ciberataques no setor financeiro. Realizamos duas reuniões com provedores de serviços de comunicação e grandes bancos, enviamos telegramas com as instruções sobre o que fazer em caso de ataques ea forma como essas organizações terão que se dirigir ao ministério e ao Serviço de Segurança Federal ", disse o ministério .

Nenhum comentário:

Postar um comentário