9 de dezembro de 2016

Síria

modo férias



Rússia envia comandos chechenos a Síria


DEBKAfile Relatório exclusivo 9  de dezembro de 2016

Moscou começou a implantar unidades de forças de operações especiais chechenas na Síria esta semana, revelam as fontes militares de DEBKAfile. As tropas vêm de unidades de elite das forças armadas chechenas com ampla experiência de campo em guerras urbanas. Algumas das unidades lutaram no leste da Ucrânia nos últimos dois anos e, antes disso. Na Chechênia por suprimir organizações terroristas radicais ligadas à Al Qaeda e ao movimento salafista.
Os soldados chamados para o destacamento na Síria foram ordenados a se reportarem à base de Khankala, a leste da capital chechena, Grozny. Eles estão sendo examinados por oficiais russos que determinam quais são adequados para a missão síria.
Na fase inicial, a implantação será composta por três divisões totalizando cerca de 1.000 soldados. Desde que, como a Rússia, a lei chechena impede que as tropas regulares do exército sejam enviadas além das fronteiras do país, os soldados designados para a Síria usarão o uniforme das forças de segurança do Ministério do Interior checheno, que não fazem parte do exército regular.
Eles serão transportados diretamente das instalações da força aérea russa na base de Khankala por gigantescos aviões de transporte Ilyushin-76 para a Base Aérea Hmaimim da Rússia, a cerca de 1.200 km de distância.
Moscovo nunca antes enviou um número substancial de tropas terrestres para o campo de batalha sírio. A implantação dos proxies chechenos tem três objetivos:
1. Libertar as forças da coalizão que apoia o presidente sírio Bashar Assad, incluindo a Rússia, da responsabilidade pela detenção e defesa do território capturado nas cidades sírias, especialmente em Aleppo.
2. Reforçar as tropas russas, iranianas, sírias e do Hezbollah com comandos altamente treinados capazes de liderar as próximas batalhas desafiadoras em lugares como a região de Idlib, no norte, e Darra, no sul.
3. Salvar o presidente russo, Vladimir Putin, e o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, de terem de enviar tropas russas para terminar a guerra síria. O retorno de um número crescente de caixões provocaria um forte clamor popular contra o governo.
No mês passado, três militares russos perderam a vida na Síria, incluindo um coronel. Até agora, os militares russos haviam enviado apenas pequenos grupos de tropas Spetsnaz (forças especiais), cuja tarefa se limitava a guardar as instalações militares, aéreas e de mísseis russas na Síria.
O último lote de combatentes chechenos não é o primeiro Moscovo enviou para o Oriente Médio. Em 2 de setembro, a agência de notícias russa Interfax informou que "um grupo auto-organizado de jovens da Chechênia se comprometeram a combater as organizações terroristas". Eles foram descritos por um porta-voz russo como jovens que se ofereceram para coletar informações sobre russos e chechenos Que se juntou ISIS. Em outras palavras, eles tinham se "voluntariado" para se infiltrar nas unidades do ISIS como espiões. O que aconteceu com esses jovens nunca foi relatado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário