4 de fevereiro de 2017

Irã responde a ameaça norte americana

Ameaçar o Irã é inútil ": conselheiro do líder supremo responde ao" aviso "

 3 Fev, 2017 


‘Threatening Iran is useless’: Supreme leader’s adviser responds to America’s ‘notice’
O Irã não se dobrará às ameaças dos EUA, disse o assessor de política externa do Líder Supremo do Irã, Ayatollah Ali Khamenei, em resposta a declarações feitas pela Casa Branca, após o recente teste de mísseis balísticos do Irã.
"Esta não é a primeira vez que uma pessoa inexperiente ameaçou o Irã", disse Velayati à Fars News Agency, sem nomear ninguém específico. "O governo americano vai entender que ameaçar o Irã é inútil". Falando aos repórteres, Ali Akbar Velayati, consultor de política externa do aiatolá, disse que o Irã continuaria construindo suas capacidades defensivas, independentemente de quaisquer avisos de Washington.
"O Irã não precisa de permissão de nenhum país para se defender", acrescentou.
Na segunda-feira, autoridades dos EUA disseram à Fox News que o Irã havia testado um míssil balístico de médio alcance Khorramshahr, que voou 600 milhas antes de explodir.
Isso foi seguido na quarta-feira pelo conselheiro de Segurança Nacional Michael Flynn e pelo presidente dos EUA, Donald Trump, anunciando que o Irã havia sido "avisado", sem especificar o que isso significava.
Na quarta-feira, o ministro da Defesa, Brigadeiro-General Hossein Dehqan, confirmou que o Irã realmente testou o míssil.
"O teste recente estava de acordo com nossos programas, e não permitiremos que ninguém de fora interfira em nossos assuntos de defesa", disse Dehqan à agência de notícias Tasnim.
Em entrevista nesta terça-feira, o vice-ministro russo de Relações Exteriores, Sergey Ryabkov, disse que Moscou também considerou os testes de mísseis do Irã compatíveis com o JCPOA. Irã e seis grandes potências mundiais (Rússia, China, Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e Alemanha) em julho de 2015, que restringe o programa nuclear de Teerã.
"A Resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU não contém uma proibição de a República Islâmica do Irã realizar tais atividades", disse Ryabkov à Interfax. "A resolução só e exclusivamente chama o Irã a abster-se de lançamentos de mísseis ... o que lhes permitiria os meios para entregar uma arma nuclear. Esse chamado, como todos entendemos, não corresponde logicamente a uma proibição. Não é a mesma coisa, e tentar apresentar isso como uma proibição é uma distorção da verdade ".
Na quinta-feira, o presidente Trump twittou que o Irã deve ser "grato" por JCPOA, que ele chamou de "o pior acordo já negociado" durante sua campanha.

O JCPOA, entre outras coisas, permitiu ao Irã ter acesso a ativos no exterior congelados por sanções. Alguns argumentaram que este dinheiro era do Irã para começar e não pode ser descrito como um ganho.
O governo Trump tomou uma linha mais dura contra o Irã do que seu antecessor, com o país sendo nomeado entre os sete estados muçulmanos cujos cidadãos são temporariamente proibidos de entrar nos Estados Unidos.
O Irã também foi criticado por seus testes com mísseis pelo ex-secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, em 2016, que disseram não estar no espírito dos acordos nucleares do Irã. Apesar disso, o país continuou a desenvolver seu programa de mísseis, com MPs votando para aumentar os gastos militares para cinco por cento do orçamento do país no início de janeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário