4 de fevereiro de 2017

Será mesmo que Trump de escalará tensões com a Rússia?

Estrada perigosa: Trump se curvando para as pressões dos Neocons, já não se compromete mais a "De-escalada nas tensões com a Rússia"

Trump Economic Crisis
Os apelos do presidente Trump para reorientar a política externa norte-americana parecem estar se desintegrando nas duas primeiras semanas de mandato, ao abraçar as hostilidades neoconservadoras em relação ao Irã e à Rússia, como observa Andrew Spannaus.
O objetivo da Administração Trump de desacelerar as tensões com a Rússia está enfrentando uma forte resistência na Europa Oriental, onde muitos rejeitam a idéia de que uma solução diplomática pode ser alcançada sobre as questões da Ucrânia e da expansão da OTAN.
Esta realidade foi exposta no X Fórum Europa-Ucrânia, realizado em Rzeszow, Polónia, de 27 a 29 de Janeiro, que reuniu mais de 900 funcionários do governo, políticos e analistas de toda a Europa, para debater como responder à nova política Nos Estados Unidos, continuando a prestar apoio aos esforços de Kiev para se ligar mais perto do Ocidente. A atmosfera no Fórum - um evento anual organizado pelo Instituto Oriental de Varsóvia - foi mais discreta do que no ano passado, como a realidade do "Realpolitik", susceptível de ser adotado pela administração do presidente Trump, afunda.
O fórum anterior em 2016 foi aberto pelo neoconservador americano Philip Karber, presidente da Fundação Potomac, que lamentou o raciocínio "sofisticado" daqueles que argumentam contra fornecer assistência militar à Ucrânia e disse que não podia esperar pela próxima administração presidencial para Chegar (quando parecia provável que seria liderado por Hillary Clinton ou um republicano tradicional). Karber observou que o presidente Barack Obama se recusou a armar totalmente os ucranianos em sua batalha contra a Rússia.
Esta não foi apenas conversa ociosa vindo de Karber, como descobrimos alguns meses depois em 2016, graças a vazamentos publicados pela The Intercept em julho passado. Parece que Karber tinha ido repetidamente para as linhas de frente da luta na Ucrânia para elaborar seus próprios relatórios de inteligência - inflado - sobre a intervenção russa. Ele enviou os relatórios ao general Philip Breedlove, na época o Comandante Supremo Aliado na Europa, que por sua vez usou os números de Karber para contestar as estimativas mais baixas elaboradas pelas agências oficiais de inteligência.
O general Breedlove deu um passo adiante, procurando mobilizar a pressão sobre o presidente Obama para que prestasse assistência letal à Ucrânia. Apesar de alistar a ajuda de indivíduos proeminentes, como o ex-secretário de Estado Colin Powell e um dos predecessores de Breedlove na OTAN, o general aposentado Wesley Clark, os esforços de Breedlove se mostraram ineficazes. Embora o presidente Obama continuasse a dirigir críticas duras contra a Rússia em público, nos bastidores sua mensagem ao general era: "não me leve a uma guerra".
Harlan Ullman, conselheiro sênior do Conselho Atlântico, escreveu a Breedlove sobre sua tentativa de "alavancar, convencer ou convencer os EUA a reagir" à Rússia: "Dada a instrução de Obama para você não começar uma guerra, isso pode ser um duro vender."
A esperança de uma postura mais agressiva contra a Rússia pela futura administração dos EUA obviamente não levou em conta a possibilidade de que o próximo presidente fosse Donald Trump. Em janeiro de 2016, poucos deram a Trump qualquer chance de realmente ganhar a eleição, e assim a suposição era que por esta altura, Hillary Clinton ou um republicano como Marco Rubio ou Jeb Bush estariam ocupando a Casa Branca.
Ex-comandante da OTAN  Philip M. Breedlove.

A eleição de Trump pareceu mudar o impulso do establishment dos EUA para uma postura mais agressiva em relação à Rússia que tem estado em exibição desde o último outono em particular. De fato, os meios de comunicação e a classe política se concentraram quase histericamente na suposta intervenção russa nas eleições norte-americanas, apesar das lacunas cruciais nas evidências apresentadas ao público e da questão de saber se o presidente russo, Putin, teria assumido tal risco quando apareceu Clinton foi um shoo-in para ganhar.
As revelações do WikiLeaks - principalmente confirmando os estreitos laços de Hillary com Wall Street e a ajuda do Comitê Nacional Democrático em minar a campanha de Bernie Sanders - não foram inicialmente consideradas um fator importante na derrota de Clinton, que ela culpou principalmente à reabertura e re - encerramento da investigação sobre o uso de um servidor de e-mail privado para negócios do Departamento de Estado. Ninguém sugeriu que Putin estivesse por trás das ações de Comey ou da decisão do servidor de Clinton.

Incerteza de Trump
O governo de Trump cedo emitiu sinais mistos a respeito das relações com Rússia. Os comentários iniciais de Trump indicaram que os Estados Unidos buscariam um acordo diplomático para reduzir as tensões em torno da Ucrânia, incluindo o reconhecimento potencial do referendo pró-russo na Criméia, em troca de um acordo mais amplo com a Rússia envolvendo cooperação contra o terrorismo ou redução de armas nucleares. No entanto, o embaixador das Nações Unidas Nikki Haley, da Trump, prometeu continuar as sanções contra a Rússia até que se rendesse à Criméia.
No Fórum Europa-Ucrânia, a expectativa anterior de reduzir as tensões com a Rússia foi aceita de má vontade por alguns, mas pura e simplesmente rejeitada pela maioria. Muitos oradores pediram uma posição ainda mais agressiva sobre a expansão da OTAN para incluir não só a Ucrânia, mas também a Suécia, a Finlândia e qualquer outro país na vizinhança da Rússia.





Então-Gov. Nikki Haley de Carolina sul que fala na conferência conservadora 2013 da ação política (CPAC) no porto nacional, Maryland. 15 de março de 2013. (Flickr Gage Skidmore)

Tomasz Szatkowski, subsecretário de Estado do Ministério da Defesa Nacional da Polônia, também disse que a Polônia se voluntariará para liderar um grupo de nações na criação de uma rede de primeira resposta, pronta para organizar missões militares fora da área em resposta à agressão russa. Outros funcionários concordaram com a idéia de criar uma aliança entre um grupo de países que vão dos países bálticos até a Europa Oriental, pressionando a União Européia e os Estados Unidos para evitar qualquer acordo diplomático com Putin.
O medo entre esses participantes é que a Ucrânia perderá em qualquer acordo diplomático EUA-Rússia. Eles argumentaram ainda que, se nada for feito para contrariar o suposto expansionismo de Putin, então a Rússia se moverá inevitavelmente para a Europa Oriental para restaurar seu antigo império.
No entanto, esta visão é baseada na suposição de que o conflito na Ucrânia estourou simplesmente porque o presidente russo acordou uma manhã e decidiu que era hora de expandir o poder militar russo novamente. Ignora o que o Ocidente fez até 2014, como expandir a OTAN para as fronteiras da Rússia e fornecer apoio por meio de fontes oficiais e numerosas ONGs a grupos "pró-democracia", alguns dos quais queriam mudanças de regime não apenas em Kiev, mas em Moscou.
Um exemplo proeminente é o chefe da Fundação Nacional para a Democracia (NED) financiada pelos contribuintes dos EUA, Carl Gershman. Como relatou o jornalista Robert Parry, a NED financiou dezenas de projetos de "promoção da democracia" na Ucrânia, contribuindo para minar o governo eleito anterior e tocar a guerra civil entre os nacionalistas ucranianos do oeste e os russos étnicos do leste. Gershman também pediu a derrubada de Vladimir Putin na Rússia.

Uma narrativa falsa

Embora a narrativa de propaganda do Ocidente tenha obscurecido as circunstâncias em torno da expulsão do presidente ucraniano, Yanukovich, em 22 de fevereiro de 2014, o golpe violento foi chamado de "o golpe mais flagrante da história" por George Friedman, fundador da Stratfor e Geopolitical Futures. No momento do golpe, um acordo diplomático havia sido firmado para novas eleições até o final do ano, mas grupos de extrema-direita entraram para tomar o controle das instituições governamentais e o regime golpista foi rapidamente declarado "legítimo" pelo governo. Governo dos EUA e seus aliados.
Um dos principais intervenientes na mudança de poder foi a subsecretária de Estado para Assuntos Europeus, Victoria Nuland, que foi gravada em um telefonema pré-golpista dizendo "Foda-se a UE" com relação ao papel da Europa como mediadora para uma solução diplomática e também Mão-escolher a pessoa que se tornaria o novo primeiro-ministro, Arseniy Yatsenyuk, com o comentário "Yats é o cara."
Ex-comandante da OTAN  Philip M. Breedlove.
Símbolos nazistas em capacetes usados ​​por membros do batalhão Azov da Ucrânia. (Como filmado por uma equipe de filmagem norueguesa e mostrado na TV alemã)

Esta intervenção direta do Ocidente provocou uma reação previsível da Rússia, que se moveu rapidamente para garantir que a Criméia não acabaria sob a égide da OTAN e, em seguida, apoiou os rebeldes étnicos russos no leste da Ucrânia, que lutaram contra as tropas ucranianas, Nazi Azov Battalion e outras milícias ultra-nacionalistas.
A intensidade do conflito na Ucrânia diminuiu consideravelmente depois que um acordo de cessar-fogo foi estabelecido no início de 2015. No entanto, em 28 de janeiro, apenas uma semana no governo Trump, novos combates estouraram em torno da cidade de Avdiivka no leste da Ucrânia. Implacáveis ​​meios de comunicação anti-russos e políticos imediatamente tentaram alavancar a situação para bloquear qualquer iniciativa do presidente Trump para avançar com uma solução diplomática.
No entanto, no Fórum de Rzeszow, houve pelo menos algumas vozes que pediam o reconhecimento da nova realidade trazida pela mudança de abordagem em Washington. Em discussões privadas, vários funcionários do governo observaram que, com a expansão da OTAN provavelmente fora da mesa neste ponto, não há alternativa ao diálogo.
Alguns oradores, como Markku Kangaspuro da Finlândia e o ex-funcionário ucraniano Oleksandr Chalyi, admitiram publicamente que não pode haver guerra total com a Rússia e que, neste momento, uma solução política parece ser o único caminho a seguir. O máximo que se pode fazer, do ponto de vista daqueles que pretendem combater a influência russa tanto quanto possível, é tentar limitar e mitigar um acordo potencial entre Trump e Putin.
Andrew Spannaus é jornalista freelance e analista estratégico com sede em Milão, Itália. Ele é o fundador da Transatlantico.info, que fornece notícias, análise e consultoria a instituições e empresas italianas. Seu livro sobre as eleições dos EUA Perchè vince Trump (Por Trump está ganhando) foi publicado em junho de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário