11 de fevereiro de 2017

Ucrânia

Neocons usam a Ucrânia para reverter plano de Trump  para descongelar relações com Putin e promover a Guerra mundial 


Trump já demonstrou como uma figura de proa da Casa Branca que ele não está no controle, mas segue as ordens da marcha globalista


Donald Trump
Depois de três semanas como presidente, Donald Trump acabou por ser "o mesmo que o antigo chefe", definitivamente quando se trata de política externa dos EUA. A curta explicação é que todo presidente dos Estados Unidos apenas desempenha um papel de proeminente fantoche, tomando suas ordens diretamente da elite da Nova Ordem Mundial e seus substitutos neoconservadores, movendo-nos rapidamente para uma tirania do governo mundial que será o resultado final de um colapso simultâneo da globalização. Com o lançamento de outra guerra mundial.

Assim como não havia nenhuma diferença entre a mesma agressão intervencionista neoconservadora apresentada por Obama e o governo de Bush-Cheney, o presidente Trump também está marchando rapidamente pelo mesmo caminho para a guerra mundial, como Obama. Independentemente de quem ou que partido ocupa a Casa Branca, a única constante é uma política externa agressiva entregue por profundos neocons estatais entrincheirados no poder de Washington há muitas décadas. E os neoconservadores tomam suas ordens da elite governante.
Trump o candidato prometeu uma grande mudança na política externa dos EUA para uma abordagem muito mais sensata, mesmo que não seja intervencionista, "não-intervencionista", evitando a constante intromissão nos assuntos internos de outras nações que só polariza o tabuleiro geopolítico para Conflito global crescente.
Parecia que os Estados Unidos poderiam finalmente estar livres dos quase quatro décadas de controle bipartidário e neo-enganado que se empenhavam em manter o Império Americano a todo custo, insistindo no status quo da hegemonia unipolar da superpotência mundial única e do domínio militar frontal completo. Os neoconservadores se recusam a viver em um mundo onde o poder é compartilhado com os emergentes jogadores regionais Rússia e China.
E já que os neoconservadores ainda estão no controle em Washington, depois de apenas três semanas na Casa Branca, já está perturbadoramente claro que a presidência do Trump não será diferente do resto, correndo a toda velocidade pela frente, mergulhando a terra diretamente em um homicida, se não suicida Rumo à Terceira Guerra Mundial. Seja através da escalada de guerras existentes na Síria e na Ucrânia que levam a guerras maiores com o Irã, a China ea Rússia, o regime Bush-Obama-Trump parece um inferno inclinado à destruição mundial. Enquanto isso, mesmo em casa, o crescente controle autoritário de Washington e a violenta mania anti-Trump estão criando condições para que uma guerra civil doméstica se desencadeie.
Evidências dessa estrada desastrosa que já estamos viajando a uma velocidade vertiginosa são esmagadoras. Apenas o fato de que Elliot Abrams, um neocon de volta ao Reagan-Bush sênior Irã dias Contra está atualmente em consideração como vice-secretário de Estado, fala volumes que estamos prestes a ser empurrado para fora do penhasco do dia do juízo final.
Esta apresentação será focada em ações específicas que a administração Trump já concluiu e que fornecem provas mais do que suficientes de que estamos talvez a apenas algumas semanas, se não meses, de uma guerra cada vez mais catastrófica. Esta análise aborda a probabilidade de guerra global iminente com base no conflito violento de três anos na Ucrânia acelerando agora, e como essa escalada  está sendo usado para minar, neutralizar e reverter eficazmente as promessas que Trump o candidato fez para cooperar com Putin. A linha de fundo é neocon forças maiores do que o presidente ainda mantenha a agenda para continuar a demonizar Putin em sua corrida à guerra global.
Reminiscente do duo da equipe da etiqueta da imprensa corporativa trabalhando em conjunto com o governo federal, primeiro tínhamos os senadores John McCain e Lindsey Graham sobre na Ucrânia provocando sobre os EUA ilegalmente instalados títere neo-nazista regime em Kiev para lançar outra ofensiva no Ex-províncias orientais da Ucrânia, agora a região de Donbass no dia 2 de janeiro como um prelúdio de ano novo do que está por vir em 2017. Então, como um mecanismo horário previsível e sincronizado, a mídia mainstream dos EUA como tipicamente representada por um artigo de 1 de Fevereiro, Entregou a administração Trump seu primeiro teste de política externa. A peça de sucesso acusou falsamente a Rússia de disparar incontáveis ​​foguete e artilharia contra as forças ucranianas, matando uma dúzia de soldados de Kiev nos últimos dias de janeiro. Uma outra manchete da propaganda da guerra dos MSM, esta vez Newsweek, leu "quando Trump Fiddles, Putin pisa acima da guerra na Ucrânia."
Esses artigos enfatizam que a voragem renovada da "agressão" russa ocorreu apenas um dia após a primeira conversa telefônica de Trump e Putin, que concordou em trabalhar pacificamente juntos como parceiros combatendo o inimigo comum da ISIS / Al Qaeda, além de forjar um plano para diminuir as hostilidades. Ucrânia. Como é típico da imprensa ocidental para vilipendiar Putin, Política Externa planta visivelmente a noção de que Putin lançando greves de artilharia na Ucrânia já provou que está traindo a confiança de Trump.
A peça continua a informar que a Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE) afirma que a Rússia intensificou unilateralmente seu bombardeio contra as forças de Kiev na medida em que, após 2600 contadas rodadas disparado em 29 de janeiro, muitos vieram mais tarde que a OSCE perdeu a pista . Já há uma década, Putin expôs a OSCE como uma frente de propaganda para a agressão ocidental na Ucrânia, bem como em toda a Europa Oriental para promover seus próprios interesses imperialistas e geopolíticos para cercar, isolar e enfraquecer a Rússia. Claro que tem sido a política externa dos EUA, juntamente com a Rússia e a China.
O conflito de 2014 entrou em erupção no leste da Ucrânia após a maioria étnica russa residir em Donetsk e Lugansk votaram em um referendo de primavera para a sua independência da Ucrânia, levando o governo Kiev a invadir a região de Donbass para opor os separatistas liberdade de combate. Mais uma vez, o Ocidente apoiando a Ucrânia está alinhado no lado errado da história como Kiev se envolveu na limpeza étnica e como de dois anos atrás, matou mais de 10.000 civis em Donbass. Entretanto, Kiev fez repetidas acusações de que a OSCE não está cumprindo a tarefa que lhe foi confiada como observador neutro de monitoramento, mas prefere os militares da República Popular de Donetsk (DPR). Esta dinâmica subjacente pode contribuir para a OSCE apontar agora o dedo em Putin como o mais recente agressor, como uma demonstração a Kiev e ao Ocidente de que ele pode agir "imparcialmente".
Em qualquer caso, um funcionário de defesa anônimo reiterou a posição do Pentágono de que estava antecipando a agressão de Putin na Ucrânia, projetada para avaliar o que ele poderia conseguir com o início do governo Trump. O propagandista de defesa dos EUA declarou à FP:
Tudo isto é muito calculado para ter essa ferida aberta e sangrenta no corpo político da Ucrânia, que permitirá à [Rússia] manipular a situação e a política do país e, assim, manter a Ucrânia nesta órbita kleptocrática pós-soviética.
O artigo sobre o FP vai inutilmente escapar de uma frase que claramente pretende suavizar a longa ofensiva da Ucrânia, Donbass, apoiada por McCain e Graham, que violam claramente o acordo de cessar-fogo de Minsk, em 2014:
As forças ucranianas também parecem estar avançando na terra de ninguém separando o território controlado pelo governo das áreas controladas pelos rebeldes ...
Relatos no terreno indicam que o verdadeiro agressor no dia 28 de janeiro foi o exército ucraniano que começou a bombardear as forças do DPR. Os militares de Kiev se mudaram para a ofensiva sul de Donetsk, apenas para encontrar campos minados, em grande parte responsável pelas dezenas de mortes casal. Acusar DPR de um ataque de bandeira falsa foi principalmente para recrutar simpatia ocidental, apoio material e mais mercenários para o regime instável de Poroshenko que está mergulhado em corrupção política e agitação econômica.
No início do mês, o enviado de McCain-Graham havia prometido apoio adicional para outra campanha em Donbass, apesar de nunca ter qualquer autoridade legal, como ainda atuando presidente Obama pelo menos oficialmente não enviá-los no exterior. Assim, os gêmeos bobsy podem ter, de fato, violado a Lei Logan de 1799, que proíbe os americanos em países estrangeiros que operam fora da autoridade presidencial a interferir com a política externa estabelecida pelo presidente. Por sua minando a presidência de Trump e o belicismo incessante, mesmo Trump os chamou para o seu último truque desonesto para desencadear a Terceira Guerra Mundial.
O fato de Trump ter feito declarações durante sua campanha indicando que estaria aberto a normalizar as relações com Moscou, levantando sanções e defendendo a dissolução da OTAN, representa uma séria ameaça para os dois senadores traidores e seu núcleo de formuladores de políticas neoconservadores Consistentemente com o objectivo de provocar a guerra contra a Rússia há mais de três anos. Desde o golpe de Kiev de fevereiro de 2014 induzido Kiev e um mês mais tarde a anexação legal de Putin da Crimeia depois que os russos étnicos em Crimeia votaram esmagadoramente para se juntar à Rússia (que de 1783-1954 Crimeia tinha sido sempre parte de Rússia). E então mesmo de 1954-1990, Crimeia era parte da União Soviética como um estado de URSS dentro de Ucrânia, mas ainda pertencido à nação que era a URSS.
Enquanto Obama ainda era presidente e os senadores falcão de galinha  sobre a Ucrânia, Kiev então esperou até depois da inauguração de Trump antes de desencadear sua invasão Verde mais em Donbass. A incursão militar de Kiev tem muito mais a ver com o teste do que a Ucrânia, apoiada pelo Ocidente, pode se safar tanto no relógio de Trump como no de Putin do que qualquer teste de Putin das águas de Trump. Afinal, Putin mais uma vez não é o agressor. A ofensiva foi executada somente para que os neoconservadores do Império pudessem sabotar a relação Trump-Putin e evitar que a paz começasse. Só a guerra é permitida pelos malfeitores de Washington.
Como parte da propaganda anti-Moscou para justificar a última campanha militar de Kiev, o ministro da Defesa da Ucrânia acusou uma plataforma petrolífera russa no Mar Negro de disparar e danificar um avião de transporte da Ucrânia. Um porta-voz do Ministério da Defesa russo nega qualquer incêndio russo ocorrido, informando que o avião ucraniano foi advertido apenas com quatro sinais de flash por segurança do equipamento que o avião estava voando muito baixo, colocando em perigo o pessoal russo trabalhando em duas plataformas de plataformas petrolíferas e quase atingindo uma torre de plataforma em dois simulados fly-overs.
Estes tipos de acrobacias aéreas são formas comuns de intimidação e provocação usadas para propósitos de propaganda como mais uma bandeira falsa para justificar ainda mais a escalada de guerra e retaliação. O recém-retirado secretário-geral adjunto da OTAN se apossou dele, alegando que o incidente prova que a Rússia não está de todo interessada na paz com a Ucrânia. Em suas palavras:
[O Kremlin] pode estar tentando testar a nova administração para ver se eles se distanciam de Kiev, e dizer [Ucrânia Presidente] Petro Poroshenko que ele tem que fazer o melhor negócio com a Rússia, o que naturalmente iria destruí-lo politicamente.
Na semana passada, ex-diretor da CIA, David Petraeus, testemunhou perante o Comitê de Serviços Armados da Câmara. É um mau sinal quando o Congresso busca o testemunho "especializado" de um espião norte-americano que mentiu para o FBI depois de violar a Lei de Espionagem, violando a segurança nacional, entregando material altamente confidencial a sua amante. Antes desse crime, o criminoso de guerra era um comandante da guerra militar em duas frentes. Petraeus foi singularmente o general mais responsável por causar a guerra civil sectária no Iraque que, eventualmente, levou à invasão sunita ISIS, bem como contribuiu para a derrota militar ainda em curso nos EUA no Afeganistão. Petraeus treinou esquadrões de morte xiitas que mataram milhares de sunitas que mais tarde se tornaram terroristas do Estado islâmico.
E foi Petraeus quem escreveu a bíblia da guerra - o manual do Exército Americano de Contra-Insurgência (COIN) - que definia estrategicamente como as guerras dos Estados Unidos do século vinte e um seriam combatidas e perdidas, com enormes custos e desperdícios substituindo muitas funções militares por empreiteiros civis privados de segurança (Como mercenários contratados como Blackwater) em uma tentativa fracassada de "construir uma nação" para "democratizar" imperialisticamente o Oriente Médio, provando um completo desastre humilhante no Iraque e no Afeganistão. Mas a carreira notória de Petraeus de falhas abjeto tem aparentemente ganhado lhe o status de um guru da política estrangeira. No dia 1º de fevereiro, o guru alertou a Casa:
[Putin] entende que, embora a agressão convencional possa ocasionalmente permitir que a Rússia pegue um pedaço de terra em sua periferia, o verdadeiro centro de gravidade é a vontade política das grandes potências democráticas de defender as instituições euro-atlânticas como a OTAN e a UE.
Você pode ver onde tudo isso está indo. Petraeus relatando que a Rússia, a China, o Irã, bem como os terroristas todos representam uma "ameaça sem precedentes" é parte da guerra preparada preparação narrativa. A máquina de guerra política de Washington está em pleno andamento, assegurando que uma aliança com a Rússia nunca pode acontecer, apesar de qualquer Trump o candidato pode ter proferido. Isso foi então, isso é agora. Assim, a guerra na Ucrânia torna-se mais uma vez o grito de gritaria falsa para garantir que a cola EU-UE-OTAN fique unida contra aqueles russos "imperialistas, guerreiros" empenhados em despedaçar antigos aliados de séculos. A elite e seus neoconservadores não permitirão que a Brexit, as tensas relações entre Washington e Bruxelas ou o nacionalismo Trump entrem em seu caminho.
A imprensa ocidental explica o enorme acúmulo de tropas das forças norte-americanas e da Otan completas com os tanques EUA-Alemanha-OTAN amassados ​​ao longo da fronteira entre o Báltico e a Rússia para "proteger" os aliados da Otan da grande expansão russa. Isto é outra vez toda a propaganda fabricada préguerra que prepara-nos para a guerra para vir. Trump o candidato resmungou como uma vez que se torna presidente, a Europa terá de pagar por sua própria defesa. O ex-secretário-geral da OTAN chamou isso de "uma ruptura de solidariedade" com a Europa, alertando:
Os russos veriam isso como uma bonança que eles tentariam e explorariam ao convencer países como a Bulgária e a República Tcheca de que os EUA não podiam ser contados.
Outro bloqueio para evitar que as relações entre a Rússia e os EUA se dissolvam é a rígida adesão à extensão das sanções econômicas contra a Rússia contra a Criméia e a Donbass. Depois que Trump o candidato insinuou levantar as sanções, o primeiro ministro britânico Theresa May apressou-se a Washington para assegurar que permaneçam no lugar e que Trump renova o compromisso dos EU à OTAN. GOP fiel como McCain ameaçou aprovar leis para codificar as sanções caso o Trump desistisse. Assim, você pode ver que a vilificação anti-Putin e guerra fria ainda raiva com a última retórica mentirosa e ameaças externas trazidas contra o presidente dos EUA para ficar com o status quo ou então.
E para provar que Trump o presidente sucumbiu a segurar a linha dura anti-russo, a embaixadora brandnew de Trump Nikki Haley em seu primeiro dia no escritório soou o alarme no Conselho de segurança de UN, imitando o mesmo quebrou o registro como seu predecessor da neocon Samantha Poder:
Devo condenar as ações agressivas da Rússia. É lamentável porque é uma repetição de muitas instâncias ao longo de muitos anos em que os representantes dos Estados Unidos precisaram fazer isso ... Estados Unidos continua a condenar e pedir um fim imediato à ocupação russa da Criméia. A Criméia é uma parte da Ucrânia. Nossas sanções relacionadas com a Criméia permanecerão em vigor até a Rússia devolver o controle sobre a península para a Ucrânia.
Em resposta, um senador russo twittou:
Parece que o novo representante dos EUA na ONU veio com observações que foram escritas por Power.
Nikki Haley obviamente recebeu suas ordens de cima para bater a Rússia apesar da conluio EUA-Kiev para renovar recentemente a agressão contra os cidadãos de Donbass. Ela também mostrou ignorância ao não saber que a história ucraniana da Criméia era curta. Foi ilegalmente anexado pela Ucrânia em 1990, assim, a península do Mar Negro foi forçosamente parte da Ucrânia por menos de um quarto de século. No entanto, todo o pretexto para a condenação da Rússia sobre a Ucrânia é completamente baseado numa mentira. Assim como as sanções, assim como a próxima guerra. Mais uma vez, toda essa falsa narrativa anti-russa é um tema tão nauseantemente cansativo dos EUA.
O excepcionalismo americano significa que o assassino mundo pode continuar operando com total impunidade enquanto acusando erroneamente a Rússia constantemente, ou qualquer outra nação em sua mira, dos mesmos crimes pecaminosos que o Império perpetra todos os dias do ano. Os vassalos europeus do Império e os países intimidados mais pequenos devem seguir em silêncio a linha ou então eles também serão injustamente alvejados com mentiras e castigos sob a forma de invasões e guerras ilegais (sejam eles botas no solo ou terroristas mercenários aliados), sanções econômicas desumanas , Embargos comerciais, golpes de mudança de regime e assassinatos.
A única nação culpada que permanece juiz, júri e carrasco neste mundo de outros países é os Estados Unidos.
E Trump já demonstrou como a figura de proa da Casa Branca que ele não está no controle, mas segue suas ordens de marcha globalistas. Assim, Trump é impotente para mudar a rígida política externa ainda sendo ditada pelos neoconservadores. Nada vai mudar na Ucrânia, exceto mais morte e violência vai escalar para a arena maior. A Rússia ainda é o bode expiatório do Ocidente, assim como todas as outras nações que afirmam sua própria vontade e independência livres do Império matador. Apenas os Estados Unidos invadiram dúzias de nações soberanas, iniciaram mais guerras e mantiveram a política externa mais agressiva de qualquer nação na Terra no último século. Mas é sempre a Rússia que é o agressor acusado falsamente que Washington e seus meios de comunicação corporativa sem fim exagero, a fim de justificar ainda mais a agressão do Império e da violência. Afinal, a guerra sempre foi uma agenda americana.

Joachim Hagopian é um graduado de West Point e ex-oficial do Exército dos EUA. Ele escreveu um manuscrito baseado em sua experiência militar única intitulada "Não deixe os Bastards Getcha Down". Ele examina e se concentra nas relações internacionais dos EUA, liderança e questões de segurança nacional. Após os militares, Joachim obteve um mestrado em Psicologia Clínica e trabalhou como terapeuta licenciada no campo da saúde mental com adolescentes e adolescentes vítimas de abuso há mais de um quarto de século. Nos últimos anos, ele se concentrou em sua escrita, tornando-se um jornalista de mídia alternativa. Seu site de blog está em http://empireexposed.blogspot.co.id/.

A fonte original deste artigo é

Um comentário:

  1. tudo isso recai outra vez nas antigas escrituras revelado e muito redundante para quem quer que seja apenas o velho jogo dos dragoes e das sepentes querendo se apoderar da presa os homens. Conduzidos felizes rumo as garras dos dragoes fantasmas. So veem as garras deles quando morrem ae e tarde a vaca ja foi pro brejo. Entao o homem vera que sem Deus nem toda a humanidade e pareo para um unico dragao cobra serpente citados nas escrituras sagradas.

    ResponderExcluir