5 de maio de 2017

Irã, Turquia e Rússia assinam acordo sobre questões sírias


Rússia, Turquia e Irã assinam acordo para estabelecer zonas seguras na Síria

Um membro da defesa civil síria tenta extinguir o fogo de um veículo em chamas após uma explosão de carro-bomba na cidade rebelde de Azaz, no norte da Síria, em 3 de maio de 2017 (AFP Photo / Zein Al RIFAI)




A Rússia, o Irã e a Turquia assinaram na quinta-feira um acordo para a criação de quatro zonas seguras na Síria que as Nações Unidas descreveram como um passo promissor para acabar com a brutal guerra de mais de seis anos.

Os Estados Unidos deram, contudo, uma extrema cautela, citando preocupações sobre o papel do Irã como garante, mesmo quando expressou a esperança de que o acordo possa preparar o terreno para uma solução.

Vários membros da delegação rebelde deixaram a sala gritando em protesto quando a cerimônia de assinatura começou na capital do Cazaquistão, Astana, irritada com o regime iraniano, informou um repórter da AFP.

O plano para as "áreas de desagregação" foi discutido na terça-feira pelo presidente dos EUA Donald Trump e pelo presidente russo Vladimir Putin durante uma conversa telefônica.

O acordo prevê um cessar-fogo, a proibição de todos os voos, a entrega rápida de ajuda humanitária às zonas designadas eo regresso dos refugiados.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse estar "encorajado" pelo avanço. Ele ressaltou que será "crucial para ver este acordo realmente melhorar a vida dos sírios."

Rússia e Irã, que apoiam as forças do presidente sírio Bashar al-Assad na guerra, ea Turquia, apoiadora das forças rebeldes, esperam construir um acordo de cessar-fogo em dezembro.

O governo sírio e as delegações rebeldes não são signatários do acordo.

"Não estamos apoiando esse acordo, trata-se de um acordo entre os três países", disse Usama Abu Zeid, porta-voz rebelde. "Nós não concordamos absolutamente que o Irã ... é um garante deste acordo."

- Passo «promissor» -

O enviado da ONU, Staffan de Mistura, que estava em Astana como observador, descreveu o acordo como "um passo importante, promissor e positivo na direção certa" para a desescalada.

Um grupo de trabalho será criado dentro de duas semanas para resolver questões técnicas e os três países concordaram em criar as quatro áreas até 4 de junho.

As áreas incluem o território chave prendido por forças anti-Assad.

A primeira zona inclui toda a província de Idlib, juntamente com certas partes das províncias vizinhas Latakia, Aleppo e Hama.

O segundo englobará certas partes no norte da província de Homs, eo terceiro será composto de algumas áreas de Ghouta Oriental, fora de Damasco.

A quarta zona incluirá partes das províncias de Deraa e Quneitra no sul da Síria, de acordo com o memorando visto pela AFP.

- Dúvidas dos EUA sobre o Irã -

O enviado da ONU disse que o acordo será rapidamente posto à prova e que o sucesso no terreno pode preparar o caminho para uma nova rodada de negociações políticas em Genebra, no final deste mês.

"Haverá um período não superior a duas semanas em que tudo isso será seriamente posto à prova e queremos que o teste seja bem sucedido", disse ele.

Em Washington, o Departamento de Estado, que enviou um observador às negociações, disse que aprecia os esforços russos e turcos, mas põe em dúvida o papel do Irã.

"Continuamos a ter preocupações com o acordo de Astana, incluindo o envolvimento do Irã como um chamado 'garante'", disse a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert.

"As atividades do Irã na Síria só contribuíram para a violência, não a impediram, eo apoio incondicional do Irã ao regime de Assad perpetuou a miséria dos sírios comuns".

"No entanto, esperamos que este arranjo possa contribuir para uma desescalada da violência, acabar com o sofrimento do povo sírio e preparar o terreno para uma solução política do conflito", disse ela.

- Que monitoramento? -

O enviado russo, Alexander Lavrentiev, disse que as zonas permanecerão em vigor por seis meses, período que pode ser prorrogado.

Não ficou claro se haveria qualquer monitorização internacional das zonas seguras.

Guterres disse que as Nações Unidas apoiarão os esforços de desescalamento, mas ele não especificou se ele teria um papel no novo cenário.

Putin disse quarta-feira que as maneiras de monitorar as zonas seriam um assunto para conversas separadas.

Lavrentiev disse que Moscou está pronta para enviar observadores às zonas.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse em comentários publicados na quinta-feira que o plano resolveria "50%" do conflito de seis anos.

Damasco apoia o plano russo, informou a agência de notícias estatal síria SANA.

Os rebeldes sírios disseram na quinta-feira que retomaram a participação nas negociações depois de suspenderem seu envolvimento um dia antes por ataques aéreos contra civis.

Mais de 320 mil pessoas foram mortas na Síria desde que a guerra do país começou com protestos contra o governo em março de 2011.


Nenhum comentário:

Postar um comentário